Pastor e família são agredidos após homens invadirem casa onde celebravam o Natal

Os agressores pressionaram o dono do imóvel a despejar o casal que mora no local há 19 anos.

fonte: Guiame, com informações do CSW

Atualizado: Quinta-feira, 19 Dezembro de 2019 as 2:13

Pastor Joshua e sua família. (Foto: Reprodução/CSW)
Pastor Joshua e sua família. (Foto: Reprodução/CSW)

No dia 17 de dezembro, uma festa particular como parte das comemorações de Natal, em Permuapalayam, Erode District, Tamil Nadu, na Índia, foi interrompida por cinco homens que agrediram as pessoas presentes, incluindo um menino de 17 anos.

O pastor Joshua, que lidera o Tabernáculo da Irmandade Apostólica, havia se reunido para celebrar o nascimento de Jesus com mais dez pessoas, incluindo sua esposa e os filhos de 11 e quatro anos, na casa alugada pertencente a um casal da igreja conhecido como Ramesh e Sumathi.

O pastor Joshua, disse a uma fonte local que o incidente ocorreu às 20h45, quando dois homens, conhecidos localmente como Ravi e Elango, provocaram um menino de 17 anos, vestido como Papai Noel para as celebrações.

Os homens foram acompanhados por outros três que começaram a bater no garoto fora de casa. Quando os outros cristãos pediram que os agressores parassem, eles também foram golpeados e suas roupas foram rasgadas.

Os homens ameaçaram queimar os cristãos vivos em seu veículo, referindo-se a eles como "cães" e "párias".

Depois, pressionaram o dono do imóvel a despejar o casal, que morava na casa há 19 anos. Temendo por sua vida, o proprietário cumpriu as exigências dos agressores e despejou seus inquilinos. Relatos de intolerância em relação à atividade cristã têm aumentado em Tamil Nadu nos últimos anos.

Sem acesso imediato a atendimento médico para os feridos, o pastor Joshua procurou a ajuda de um inspetor local em um posto policial em Lakshmi Nagar na noite do ataque, no entanto, ele foi recusado.

Em 18 de dezembro, o pastor e outros líderes cristãos locais tentaram apresentar uma queixa na delegacia de Chithode, mas foram ignorados pelos policiais até que ativistas de direitos humanos intervieram.

Segundo fontes locais, nenhum Primeiro Relatório de Informação (FIR), necessário para a polícia abrir uma investigação, foi registrado. No entanto, uma queixa foi registrada como um crime não reconhecível no Registro de Serviços Comunitários (CSR), o que significa que a polícia não pode fazer uma prisão.

Fontes dizem que os autores também pediram desculpas aos cristãos, a fim de evitar serem presos e processados ​​pela polícia, antes de receberem um aviso severo de outras ações da polícia.

Nehemiah Christie, defensor local dos direitos humanos, disse à CSW: “O nível de intolerância que estamos testemunhando neste país hoje é sem precedentes. Costumávamos celebrar nossas festividades sem medo de oposição. O rapaz de 17 anos que estava vestido de Papai Noel não era conhecido por esses homens. Acredito que o atacaram porque ele usava uma roupa que eles percebem estar associada a uma religião estrangeira, uma crença que não pertence à Índia”.

O defensor disse ainda que, “de um modo geral, a atual liderança política deve ser responsabilizada por promover narrativas falsas sobre minorias religiosas neste país, e o veneno que é permitido penetrar no nível da base é amplo. Até a polícia é cúmplice e não leva a sério as queixas até que alguém intervenha. Essas pessoas tiveram a sorte de ter alguém para intervir em seu nome, mas há muitas pessoas na Índia que não têm tanta sorte onde seu sofrimento é inédito e continuam vivendo com medo.”

O presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, declarou que “É desanimador e profundamente preocupante ver que momentos de comemorações estão sendo sequestrados por aqueles que desejam plantar sementes de contenção e discórdia na Índia. O respeito e a sensibilidade em relação ao direito de manifestar e observar sua religião ou crença são fundamentais, inclusive durante as festividades”.

Ele disse que a CSW pediu às autoridades para tomar “medidas apropriadas contra esse comportamento agressivo e a promover uma cultura de respeito pela religião ou crença da outra parte.”

veja também