Pastor torturado em prisão iraniana apela para não ser deportado da Turquia

O governo turco foi acusado de deportar dezenas de pastores e missionários estrangeiros.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Segunda-feira, 23 Dezembro de 2019 as 4:11

Pastor Esmaeil Falahati. (Foto: Reprodução/Mohabat News)
Pastor Esmaeil Falahati. (Foto: Reprodução/Mohabat News)

Esmaeil Falahati é um ex-muçulmano que se converteu ao cristianismo aos 23 anos. Após se tornar pastor, plantou igrejas domésticas em Teerão, capital do Irã, durante uma década.

Em seu país, Falahati foi condenado a cumprir prisão por ter pregado o Evangelho de Jesus Cristo a uma comunidade de ex-muçulmanos que tenta viver sua nova fé em paz.

Junto com sua esposa, Falahati secretamente liderou os cultos e viajou para as casas de companheiros convertidos.

Em agosto de 2015, policiais à paisana interromperam um culto de oração com a presença de mais de 30 pessoas em um jardim no oeste de Teerã. Falahati suspeita que eles foram "delatados", pois o regime teocrático xiita do Irã proíbe os cristãos de compartilhar sua fé com os não-cristãos.

Todos foram presos e interrogados por horas, disse ele, enquanto a polícia vasculhava a casa do pastor, reunia Bíblias e outros itens cristãos. Falahati, o dono do jardim e outros dois foram transferidos para a seção 209 da prisão de Evin.

Falahati passou 33 dias em confinamento solitário e acabou sendo acusado de propagar contra o regime islâmico e com a intenção de atrapalhar a segurança nacional.

"Fui torturado e interrogado sobre meus serviços e sobre pregar a Bíblia", disse o pastor através de um tradutor, acrescentando que ele perdeu muito peso e sofreu com problemas de saúde enquanto esteve preso.

Durante sua prisão, sua esposa e sua família também foram detidos, torturados e interrogados por 12 horas por apoiar seu caso.

Em 9 de setembro de 2015, Falahati foi libertado temporariamente sob fiança pelo Tribunal Revolucionário. Ele disse que os guardas disseram que seria melhor ele deixar o Irã ou correria o risco de ser ferido.

Cerca de 40 dias depois, Falahati, sua esposa e dois filhos fugiram de sua terra natal. E um mês depois, a família chegou à Turquia e se registrou no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

A família está na Turquia, de maioria muçulmana, aliada da Otan, há quase quatro anos.

No entanto, Falahati argumenta que o departamento de imigração turco não deu tratamento justo à sua família, especialmente depois que as autoridades turcas descobriram sobre seu novo trabalho ministerial pregando para famílias na Turquia.

"Não recebemos nenhum serviço prestado a outros refugiados", disse Falahati. “Não temos segurança, identidade e nacionalidade apenas pelo crime de ser cristão. Parece que estamos em uma prisão maior.”

Turquia no limite

A família chegou à Turquia no ano anterior à tentativa de golpe de julho de 2016 contra o governo do presidente autoritário Recep Tayyip Erdogan.

Em retaliação, Erdogan iniciou uma enorme repressão a qualquer coisa e a qualquer pessoa suspeita de ter vínculos com a tentativa de golpe ou grupos que o governo considera terroristas.

O governo de Erdogan deteve mais de 160.000 pessoas por interrogatório e prendeu formalmente 77.000 por supostas ligações ao terror.

Como a Turquia abriga o maior número de refugiados de qualquer país do mundo (mais de 3,6 milhões de refugiados sírios), nos últimos anos o país realizou deportações em massa ou retornos forçados de refugiados sírios e afegãos.

"A Turquia recebeu milhões de refugiados na última década, uma situação que pressionou muito os sistemas econômicos e sociais do país", disse à CP Claire Christian Evans, gerente regional da organização sem fins lucrativos International Christian Concern, sediada nos EUA. “A maioria dos refugiados vive na Turquia por muitos anos antes de serem colocados em um novo país. Desde a tentativa de golpe de 2016, a Turquia tornou-se mais fechada para estrangeiros.”

O governo turco foi acusado de deportar dezenas de pastores e missionários estrangeiros.

Embora o presidente Donald Trump pareça ter um relacionamento melhorado com Erdogan hoje, o governo de Erdogan prendeu e deteve o missionário da Carolina do Norte Andrew Brunson por mais de dois anos antes de sua libertação em 2018 por acusações falsas de conexões terroristas.

Brunson, que passou mais de 23 anos na Turquia antes de sua prisão, disse à Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional em junho que conhece dezenas de líderes de igrejas estrangeiras e membros de suas famílias que a Turquia deportou nos últimos meses por ser uma “ameaça de segurança para a nação”.

Um novo ministério na Turquia

Falahati disse que cerca de um ano depois de chegar à Turquia, ele se familiarizou com um pastor canadense-iraniano encarregado de um departamento de língua persa em uma universidade estrangeira na Turquia.

Naquela universidade, Falahati, sua esposa e cunhada estudaram teologia cristã, apologética, história do cristianismo e método de interpretação hermenêutica por um ano. Enquanto estudava na universidade, Falahati se reuniu com alguns ex-membros do ministério de sua igreja no Irã.

“Era como se o Senhor estivesse revivendo minha família e a mim, e nos preparando para uma nova temporada em nossa vida”, disse Falahati. "Aparentemente, Jesus foi glorificado novamente em minha vida através de minha fé na prisão e na acusação, e isso reviveu e trouxe bênção para aqueles que me deixaram enquanto eu estava sendo processado."

Mais uma vez, Falahati e sua esposa começaram um ministério. Dessa vez, eles chamaram seu ministério de “Igreja do Batismo de Grande Graça”.

"Depois de ser libertado da prisão, inicialmente pensei que minha vida tinha acabado", explicou Falahati. “Eles tiraram nossa vida, negócios e dinheiro e nos demitiram de nosso país. Mas, evidentemente, Jesus tinha um plano maior para mim. Um serviço mais amplo e um conhecimento mais profundo.”

O novo ministério de Falahati na Turquia continuou a crescer. Ele disse que está ensinando o Evangelho em período integral em diferentes cidades. Ele conseguiu prover sua família através dos dons dados pelos membros de sua igreja.

Enquanto estava na Turquia, Falahati foi condenado à revelia pelo Tribunal Revolucionário no Irã por acusações, incluindo o estabelecimento de uma igreja doméstica e ação contra a segurança nacional.

"Atualmente, meu caso está aberto neste tribunal e, assim que eu voltar ao Irã, minha sentença será aplicável", enfatizou Falahati.

Embora tenha se registrado como refugiado na ONU, Falahati disse que ainda não foi entrevistado e que seu caso ainda está pendente.

"Desde que o ACNUR [fechou o registro na Turquia], sofri muita pressão como pastor cristão pelo governo turco", explicou Falahati.

De acordo com Evans, da ICC, o ACNUR interrompeu o registro na Turquia no ano passado, em uma decisão que não deveria afetar nenhum refugiado no sistema na época. No entanto, “muitos consideraram seus casos em conflito.” Ela disse que a Turquia está em conversas mais amplas sobre quantos refugiados eles podem continuar abrigando no país e quantos enviar para casa.

"Os refugiados iranianos precisam passar anos construindo algum tipo de vida na Turquia enquanto aguardam notícias sobre seu caso de asilo, e as mudanças no ambiente na Turquia tornam essa espera mais difícil", disse Evans. "No que se refere aos cristãos iranianos que buscam status de refugiados por causa de perseguição religiosa, não há exemplos claros de liderança internacional sobre como lidar com seus casos".

Licença de residência invalidada

Há cerca de um ano, a licença de residência de Falahati foi invalidada pelo departamento de imigração da cidade em que ele residia. Além disso, ele disse ao CP que sua família recebeu uma ordem por escrito para deixar a Turquia.

"Eles fizeram isso comigo apenas porque eu fui a Ancara para prestar meus serviços cristãos sem a permissão do departamento de imigração", disse ele, argumentando que outros refugiados que não eram cristãos podiam deixar suas cidades.

"Eles me disseram, rindo, que um pastor cristão não tem permissão para sair."

Embora sua família tenha recorrido do veredicto, um tribunal inferior apoiou o departamento de imigração turco quatro meses depois. Cerca de seis meses depois disso, um segundo tribunal ficou do lado das autoridades de imigração.

"[O governo] fornece bons serviços para afegãos, sírios e iraquianos porque eles são muçulmanos", argumentou Falahati. "Mas ele me trata como um pastor cristão iraniano com desprezo e ódio porque eu era muçulmano antes e agora sou cristão".

Além de não ter mais um cartão de residência, Falahati e sua família não têm cobertura de seguro e tiveram problemas para registrar o filho na escola.

"Os problemas financeiros são tão assustadores e irritantes", enfatizou.

"Não tenho apenas vergonha de Jesus, mas também sofro as dificuldades e a injustiça com honra e alegria", acrescentou. "Peço a todos os meus queridos irmãos e irmãs em Cristo que orem por nossas condições mentais, nossos requisitos e também nossos problemas financeiros. Se você acha que pode fazer algo por nós a esse respeito, sinceramente, saudamos seus serviços e assistência"

Evans disse que existem "vários exemplos globais" de cristãos iranianos sendo enviados de volta ao Irã, "onde eles imediatamente começaram a enfrentar perseguição.

"O medo é muito real, se alguém solicitou o status de refugiado na Turquia ou em outro país", escreveu ela.

Evans disse ao CP que a deportação de evangelistas cristãos da Turquia é uma "questão separada" da deportação de refugiados e imigrantes, já que os evangelistas geralmente estão no país legalmente com uma autorização de residência de longo prazo.

"A história da Turquia permite a interpretação cultural de que os cristãos ocidentais estrangeiros são a causa de períodos de severas dificuldades para o país", explicou Evans. “Sem dúvida, a Turquia está sob muita pressão no momento. Enquanto isso, as expressões ocidentais do cristianismo estão crescendo em todo o país. Estima-se que pelo menos 30 evangelistas cristãos estrangeiros tenham enfrentado repentina deportação este ano, significando uma nova tendência alarmante para a comunidade cristã mais permanente no país.”

“Os evangelistas foram deportados após serem falsamente rotulados como terroristas ou uma preocupação de segurança nacional. Todos ocupavam algum tipo de posição de liderança na comunidade cristã local”, continuou ela. "Para a comunidade cristã permanente que vive na Turquia, há um grande medo de que essas deportações prenunciem um período de dificuldades que podem chegar antes do esperado."

veja também