Pastora envia palavras de conforto a desabrigados pelas chuvas no RJ

Pastora envia palavras de conforto a desabrigados pelas chuvas no RJ

Atualizado: Segunda-feira, 24 Janeiro de 2011 as 4:23

Assistindo aos noticiários fiquei extremamente comovida ao ver as imagens de destruição e morte que assolaram a região serrana do Rio de Janeiro, estampando o sofrimento de milhares de pessoas.

A dor e o sofrimento sempre fizeram parte da história da humanidade. Desde que o homem escolheu não confiar em Deus, rebelando-se contra Seu plano eterno de paz, alegria, felicidade plena e perfeita harmonia, a terra tornou-se vulnerável às consequências de tal escolha. E o que é pior – o homem tornou-se distante do seu Criador (Gn 1,2,3).

Assim, o sofrimento foi instaurado batendo à porta de ricos e pobres, brancos e negros, grandes e pequenos. O sofrimento não tem preconceito, não escolhe hora nem lugar, não tem agenda e pode surpreender de formas inusitadas.

Nestes dias um dos endereços do sofrimento aponta para as cidades serranas do Rio e outras nos estados de São Paulo e Minas Gerais. Tamanha dor e sofrimento têm como seus agentes: as chuvas intensas, as áreas de risco, a negligência das autoridades, a topografia desfavorável, as impossibilidades da população e o desrespeito à natureza.

Olhares perdidos, expressão de desespero e desalento, a luta pela sobrevivência, o lamento pelo que se perdeu – pessoas queridas e bens conquistados por longos anos de trabalho – despertaram em nossos corações o nobre sentimento de solidariedade. Todos nós podemos fazer algo em favor daqueles que estão sofrendo: orar para que Deus possa consolá-los e sustentá-los, doar algo que nesse momento torna-se tão precioso e necessário. Doar o tempo, doar os ouvidos para escutar o coração doído, doar um sorriso, uma mão no ombro, um abraço, doar uma palavra sincera de amor.

Mas, sobretudo torna-se necessário apresentar o evangelho de Jesus Cristo, que começa com o sofrimento do Getsêmani, culminando no Calvário. O Deus que se fez homem experimentando o mais alto grau do sofrimento humano para nos salvar, nos livrando do sofrimento eterno. Jesus sofreu por tomar sobre Si o pecado de toda a humanidade. Ele morreu para nos dar vida. Ressuscitou para nos dar esperança. O que se perdeu no Éden foi resgatado no Calvário. Aleluia! Há esperança! Em meio ao caos torna-se possível celebrar a vida quando se tem o Príncipe da Paz.

"Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo" (João 16:31).

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve" (Mt 11:28-30).

Por Iara Diniz de Paula - pastora, psicóloga, conferencista e líder - junto ao seu marido, Pr. Ciro Lima de Paula - da Central Ministerial da Família, da Igreja Batista da Lagoinha em Belo Horizonte (MG).

veja também