“Podem me incriminar por compartilhar sobre Cristo, mas não vou parar”, diz pastor indiano

Medidas impostas pelo governo da Índia, na Caxemira e Jammu, há três meses, são usadas exclusivamente contra cristãos.

fonte: Guiame, com informações do Morning Star News

Atualizado: Sexta-feira, 22 Novembro de 2019 as 10:44

Manifestantes fogem de polícia que lança gás lacrimogênio. (Foto: Reprodução/Morning Star)
Manifestantes fogem de polícia que lança gás lacrimogênio. (Foto: Reprodução/Morning Star)

Em 5 de agosto, o governo indiano revogou o status especial concedido ao estado de Jammu e Caxemira em 1949, o que lhe permitiu ter sua própria constituição.

Ao revogar os artigos 370 e 35A da constituição da Índia, o governo fez recuar movimentos separatistas dentro do estado de maioria muçulmana, ao mesmo tempo em que adotava medidas de segurança que tornam quase impossível a reunião de congregações cristãs.

Além de cortar todas as comunicações e acesso à Internet e impor um toque de recolher para impedir um levante contra a medida, o governo impediu a assembleia emitindo uma ordem: Seção 144 do Código de Processo Penal.

A partir de 5 de agosto em Srinigar, capital de Jammu e Caxemira, e em Jammu em 9 de novembro, a Seção 144 proíbe a reunião de quatro ou mais pessoas e os que a violarem estão sujeitas a acusações de tumultos.

Além de milhares de forças de segurança enviadas à área, extremistas hindus usaram a ordem para impedir que os cristãos se encontrassem para adoração, disseram fontes.

Com base na Seção 144, a polícia levou o pastor Mohan Lal Kaith, da área de Ranbir Singh Pora, no distrito de Jammu, enquanto liderava o culto de domingo na casa de um membro da congregação.

O pastor ficou sob custódia em 10 e 11 de novembro. Ele contou que era liberado todas as noites às 18h, depois de passar o dia sendo ameaçado e intimidado. A polícia justificou a detenção alegando que a Seção 144 proibia sua congregação de se reunir.

“Perguntei a eles: ‘Se templos hindus, Gurdwaras [templos sikh] e mesquitas e pujas [adoração hindu] podem acontecer apesar da imposição da Seção 144, por que não orações cristãs? É a norma, os cristãos se reúnem e adoram aos domingos em todo o mundo. Por que você está me mirando em nós?'”, disse o pastor Kaith.

Ele também falou sobre a hostilidade que enfrentou na polícia: “O SHO [oficial da delegacia] estava muito zangado, e ele me pediu para pedir perdão aos ativistas de Ram Sevaks [adoradores de Ram] e [extremista hindu] Bajrang Dal, e que eu estava errado ao questioná-lo. Eu disse a eles: 'Tudo bem, senhor, eu não sabia que a Seção 144 foi imposta. Por favor me perdoe.'"

Uma grande multidão se reuniu do lado de fora da delegacia. Os parentes presentes, com medo de que a multidão visasse seus filhos pequenos, pediram que a polícia e os extremistas hindus o libertassem, disse o pastor.

“O oficial da estação de R.S., na delegacia de Pora, teve atitudes abusivas por eu ser um baba [guru religioso], e por não ter ideia de que ele poderia me prender em um caso imenso do qual nunca poderei sair”, disse o pastor Kaith ao Morning Star.

O oficial da estação continuou ameaçando-o, dizendo repetidamente que ele estava errado em liderar a adoração cristã, e que casos contra ele já haviam sido arquivados, disse o pastor.

“Então eu disse a ele que: ‘Não violei a Constituição indiana e cumpro todas as palavras escritas nela, emolduradas por seus criadores. Se você ainda vê alguma falha em mim, tudo bem - você pode me forçar de qualquer maneira que me incrimine por compartilhar sobre Cristo, mas não vou parar'', disse o pastor Kaith ao Morning Star News.

veja também