Polícia no Laos ameaça pregar mãos e pés de cristãos que se reunirem para adorar

Em seis aldeias, as autoridades proibiram os crentes de se reunirem com mais de cinco pessoas para cultuar.

Fonte: Guiame, com informações de Missão Mais e The Voice of the MartyrsAtualizado: terça-feira, 1 de fevereiro de 2022 18:43
As autoridades ameaçaram prender Kanoa, de 14 anos, se ele continuar a adorar Jesus. (Foto: The Voice of the Martyrs).
As autoridades ameaçaram prender Kanoa, de 14 anos, se ele continuar a adorar Jesus. (Foto: The Voice of the Martyrs).

As autoridades policiais do Laos, um país comunista do Sudeste Asiático, ameaçaram pregar as mãos e os pés de cristãos que se reunirem para adorar, em seis aldeias.

No final de outubro de 2021, a polícia comunicou que os seguidores de Jesus estavam proibidos de compartilhar o Evangelho e que menores de 17 anos estavam proibidos de seguir a fé cristã.

Os oficiais vasculharam a casa de todos os crentes nas seis aldeias e removeram cruzes penduradas nas paredes das residências. A polícia também fotografou cada cristão para registro.

Além disso, as autoridades informaram que a comunidade cristã não poderia se reunir em grupos de mais de cinco pessoas para cultuar. Caso contrário, seriam “pregados nas mãos e nos pés” ou mortos a tiros.

Em uma das aldeias, um adolescente de 14 anos, chamado Kanoa, foi detido pela polícia e ameaçado de prisão se continuasse frequentando a igreja e adorando a Jesus. 

A Voz dos Mártires, uma organização cristã que monitora a perseguição no mundo, está pedindo orações pelos cristãos no Laos, um país perseguido.  

  “Ore para que Kanoa e os outros aldeões crentes cresçam em sua fé apesar do medo que sentem. Ore para que outros na aldeia ouçam o Evangelho e sejam inspirados pela fidelidade desses cristãos ao enfrentarem a perseguição”, afirmou a organização.

Perseguição no Laos

O Laos está em 26º na Lista Mundial da Perseguição 2022 da Missão Portas Abertas. Embora o governo comunista do Laos nominalmente garanta liberdade religiosa para todos os cidadãos, na realidade os cristãos são rotineiramente evitados pelos habitantes locais e enfrentam o assédio das autoridades. 

O regime promulgou recentemente o Decreto nº 238 sobre Associações, que permite às autoridades locais restringir o funcionamento de associações civis e religiosas, incluindo igrejas.

Outras leis também são usadas para colocar restrições às práticas religiosas, incluindo a realização de cultos de oração, a ordenação de líderes religiosos e a livre circulação de crentes.

“O governo usa toda a máquina administrativa até os anciãos das aldeias para evitar que as pessoas se tornem cristãs ou punam quem ousar”, disseram alguns cristãos do Laos, segundo uma organização cristã estrangeira.

O cristianismo é frequentemente apontado por restrições especiais porque a fé há muito tempo é retratada pela propaganda oficial como uma religião estrangeira que foi importada para o país por missionários de potências coloniais, incluindo os Estados Unidos, cuja guerra com o Vietnã resultou em destruição em grande escala do Laos durante campanhas de bombardeio massivas destinadas a desenraizar guerrilheiros comunistas das selvas.

Sem direitos básicos

Os cristãos muitas vezes são privados até de direitos básicos, de acordo com grupos de direitos estrangeiros e organizações cristãs.

“Os cristãos geralmente têm dificuldades para sustentar a si mesmos e suas famílias, pois muitas vezes não conseguem empregos - a maioria dos quais está disponível por meio do governo”, diz The Voice of the Martyrs.

“Os cristãos geralmente não recebem tratamento médico, educação e outros serviços sociais. Frequentemente ocorrem prisões de crentes, resultando em detenções que duram em média até uma semana”, explica.

 

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições