Presidente da Igreja Adventista da Promessa escreve histórias de Moçambique

Presidente da IAP escreve histórias de Moçambique

Atualizado: Sexta-feira, 1 Fevereiro de 2013 as 8:55

 

Alguns pastores da IAP - Igreja Adventista da Promessa estão em Moçambique, na África, dando continuidade ao projeto Plantando Esperança.
 
O projeto visa levar melhores condições de vida aos promessistas que lá vivem e proclamar o Evangelho.
 
Iniciado em 2012, o projeto continua a todo vapor. Na internet, o pastor José Lima de Farias Filho, presidente da IAP, publica alguns versos nos quais expressa um pouco do que eles veem e sentem em Moçambique.
 
Leia mais versos do pastor:
 
 
O vendedor de lenha
 
Estrada enlameada
 
O vendedor de lenha empurra a bicicleta na ladeira
 
Um feixe robusto de galhos secos
 
Paramos o carro a seu lado
 
- Boa tarde! Você vende essa lenha?
 
- Sim!
 
- Quanto custa?
 
- Cem meticais! (R$ 6,60)
 
O vendedor põe humildemente a lenha no carro
 
Ele iria empurrar a bicicleta por25 km
 
“às vezes, ninguém compra e eu trago de volta”
 
- Quem são seus pais?
 
- Só tenho mãe. Tenho também irmãos.
 
Nos contou que o dinheiro da lenha é para dar de comer à mãe e aos irmãos
 
Demos-lhe 250 meticais (R$ 16,60)
 
- Obrigado, papa!
 
Não o fizemos por pena.
 
Precisamos de lenha para fazer nosso jantar
 
E o lenhador voltou radiante
 
 
mocambique
 
A vida depois do poço
 
O poço de Nataleia foi furado em junho de 2012
 
Nunca mais as pessoas tomaram água contaminada
 
O banho, o lavar roupas, o fazer comida, tudo mudou
 
A barriga das crianças voltou a tamanhos normais
 
Os olhos foram perdendo a coloração amarelada
 
As irmãs, ah, as irmãs… estão felizes!
 
A busca desgastante de água no rio em Nataleia ficou para trás
 
Elas sorriem, elas cantam, elas dançam
 
Querem, mas não sabem o que fazer para agradecer
 
E nós? Não sabemos o que fazer com tanta emoção
 
“Obrigado, Jesus. Bendito seja o teu nome”
 
 
O menino e a boleia
 
Todos os dias, ele nos espera na estrada
 
A 2 kmde Nataleia
 
Sua alegria é andar “na buleia” (cabine do carro)
 
São seis horas da manhã
 
De longe, o avistamos a sorrir, dando sinal com as mãos
 
- Olá, Jakson!
 
- Bom dia!
 
- Quer boleia?
 
- Sim!
 
O menino entra no carro, radiante
 
- Quantos anos você tem?
 
- Não sei
 
A maioria dos moçambicanos não sabe o dia e ano em que nasceram
 
- A vó disse para eu pedir açúcar
 
- Ta bom, a gente traz um quilo para sua avó
 
- “É” três quilos
 
- Para quê sua avó quer3 kgde açúcar?
 
- Para trabalhar na plantação
 
- Não entendi, Jakson
 
- É para comer com mapira e ter força
 
Por falta de recursos, eles misturam açúcar com mapira (grãos de pouco valor nutritivo)
 
É a saída que alguns encontram para manter um pouco de vigor físico
 
 
Osmar, in memorian
 
 Em dezembro de 2011, ele nos comoveu
 
Calção e camisa azul, os dois braços descansavam na barriga grande
 
Em junho de 2012, ele nos consternou
 
Um lado de seu corpo estava paralisado
 
Agora ele nos fez chorar de saudade
 
Osmar era um menino de seis anos de idade
 
Foi vítima da imensa fragilidade social
 
Bactérias, vírus, micróbio, fome…
 
Está dormindo em Cristo
 
A IAP está aqui para tentar evitar tragédias assim
 
E, sobretudo, salvar vidas para o reino de Cristo
 
“Esse projeto salvará as futuras gerações” – Faustino, pastor moçambicano
 
 
Só um calção e uma blusa
 
Em junho passado, Ofélio posou para a foto
 
É um dos cadastrados para estudar
 
Calção escuro e blusa rosa
 
Agora estamos a sua frente
 
Sete meses com o mesmo calção e a mesma blusa
 
É um dos meninos que mais nos ajudam
 
Nós o amamos muito
 

veja também