Saiba como ajudar as vítimas das enchentes da região serrana do RJ

Saiba como ajudar as vítimas das enchentes da região serrana do RJ

Atualizado: Quinta-feira, 13 Janeiro de 2011 as 4

As pessoas interessadas em ajudar as famílias que perderam as casas nas chuvas que atingiram a região serrana do Estado do Rio de Janeiro, podem procurar um dos postos abaixo e fazer as doações. Saiba onde e como contribuir.

Petrópolis

A Prefeitura disponibilizou três pontos de arrecadação: igreja Wesleyana, igreja de Santa Luzia e sede da Secretaria de Trabalho, Ação Social e Cidadania.

Podem ser doados água potável, colchões e materiais de limpeza e higiene pessoal.

O Museu Imperial também está recebendo donativos para a população da cidade.

Teresópolis

Os donativos podem ser entregues no ginásio Pedrão, localizado a rua Tenente Luiz Meirelles, 211 – Centro.

Neste ponto pode ser doado alimentos, roupas, cobertores, colchonetes e materiais de higiene pessoal.

Foi aberta também uma conta corrente para doações de ajuda às famílias atingidas pelas chuvas. Nome da conta: "SOS Teresópolis - donativos". Agência: 0741-2 (Banco do Brasil) / Conta: 110000-9.

Rio de Janeiro

Cruz Vermelha - Praça da Cruz Vermelha, 10, centro do Rio de Janeiro. A Cruz Vermelha está recebendo água mineral, alimentos de pronto consumo (massas e sopas desidratadas, biscoitos, cereais), leite em pó, colchões, roupa de cama e banho e cobertores.

Rodoviária Novo Rio - avenida Francisco Bicalho, 1 - Santo Cristo. A rodoviária recebe doações para a Cruz Vermelha, que podem ser feitas no embarque inferior, das 9 às 17 horas.

Viva Rio - O Programa de Voluntariado do Viva Rio iniciou a campanha S.O.S Região Serrana. Quem quiser pode enviar donativos para rua do Russel, 76, na Glória, ou depositar na conta corrente do Banco do Brasil 411396-9, agência: 1769-8; o CNPJ: 00343941/0001-28.

Hemorio – rua Frei Caneca, 8 – Centro do Rio – Das 7h às 18h.

O Hemorio pede que as pessoas doem sangue para as vítimas das chuvas. Os estoques estão quase zerados. Pode doar sangue quem tiver entre 18 e 65 anos, mais de 50 quilos e estiver bem de saúde. Basta levar um documento oficial de identidade com foto.

Informações e agendamento pelo disque sangue 0800-282-0708.

Duque de Caxias e outras cidades

Rodovia BR-040 - Concer - praças de pedágio da BR-040 situadas em Duque de Caxias (km 104), Areal (km 45) e Simão Pereira (km 816), além da sede da empresa (km 110/JF, em Caxias). A Concer está recolhendo donativos como água mineral, materiais de higiene pessoal e de limpeza, roupas de cama e banho e colchonetes. Nas praças de pedágio, as doações podem ser entregues nos postos do serviço de informação ao usuário da rodovia.

Outros Pontos

Supermercados – Grupo Pão de Açúcar

Postos de coleta foram montados em todas as lojas das redes Pão de Açúcar, ABC Comprebem, Sendas, Extra e Assaí, em todo o Estado Rio de Janeiro para que os clientes possam cooperar com doações de alimentos não perecíveis, roupas e cobertores.

Polícia Rodoviária Federal – a PRF disponibilizou diversos postos de arrecadação. Pede-se doação de água, leite em pó, materiais de higiene e limpeza e colchões. Postos da PRF que receberão doações:

BR-116: KM 133 (Doações 24 horas) BR-101: KM 269 (Doações 24 horas) BR-040: KM 109 (Doações das 8h às 17h) BR-116: KM 227 (Doações das 8h às 17h)

As quatro praças do pedágio, da Concessionária Rota 116 S/A, também estão recebendo donativos. Os interessados devem entregar materiais e alimentos não perecíveis, água, leite, roupas e artigos de cama e banho, além de colchonetes, nas próprias cabines de pedágio de Itaboraí, Cachoeira de Macacu, Nova Friburgo e Macuco.

Polícia Militar - Todos os batalhões da PM do Estado serão centros de recepção de doações.

Pede-se a doação de água mineral, alimentos não perecíveis e material de higiene pessoal.

Chuvas castigam região serrana

O Rio de Janeiro viveu nesta quarta-feira (12) um dos dias mais trágicos de sua história. As chuvas intensas que castigaram a região serrana do Estado deixaram mais de 250 pessoas mortas, segundo informações da secretaria de Saúde e Defesa Civil. O número de mortos em Teresópolis, Petrópolis e Nova Friburgo superam as chuvas que castigaram o Rio em abril de 2010 e mataram mais de 250 pessoas. O Governo Federal anuncioi que vai liberar mais de R$ 780 milhões para os municípios afetados no estado do Rio e de São Paulo.

Com mais de 130 mortes, Teresópolis enfrenta sua maior tragédia. Segundo o coronel Flávio Castro, da Defesa Civil, o número de desabrigados passa de 900 e já são mais de 1.200 desalojados no município.

- Esse é o maior desastre de toda a história de Teresópolis. O número de vítimas pode aumentar. Nossa maior dificuldade é a questão do acesso. Ao todo, são mil homens trabalhando.

Em Nova Friburgo, o número de mortos também já passa de cem, entre as vítimas estão três bombeiros. Em Petrópolis, as 18 mortes ocorreram nas localidades Ponte Vermelha, Gentil, Madame Machado e Brejal, de com o último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Estado. As autoridades acreditam que o número de mortes na cidade pode passar dos 40.

A presidente Dilma Rousseff assinou nesta quarta-feira (12) a medida provisória que libera R$ 780 milhões em créditos extraordinários para os municípios afetados pelas fortes chuvas que atingiram o Rio de Janeiro, São Paulo e outras localidades.

Problemas antigos

A população das localidades de Benfica e Vale do Cuiabá, em Itaipava, distrito de Petrópolis, na região serrana do Rio, está acostumada a sofrer com a força das chuvas. Quem mora próximo ao rio Santo Antônio sente mais os efeitos das cheias. No entanto, os relatos dos sobreviventes dizem que nunca a água chegou ao nível que alcançou desta vez.

Nério da Costa Mesquita, de 83 anos, alugava uma casa em Benfica e perdeu tudo. Só lhe restou a roupa do corpo.

- Começamos a levantar as coisas, mas não imaginamos que a água ia subir tanto. Foi muita água. Agora tenho de esperar, sem água [para beber], sem mantimento, sem nada.

O proprietário da casa de Mesquita, Nilson Moreira de Macedo, que mora no mesmo terreno, também mantinha uma oficina na área. Ele perdeu o local onde morava e todos os objetos de trabalho.

- Não afetou só minha casa, mas o local de trabalho. Moro aqui há 35 anos. Nunca vi nada assim.

veja também