Sanções a países pobres impedem igrejas de ajudar necessitados, alerta organização cristã

A WEA organizou um evento virtual para avaliar o impacto das sanções em igrejas e organizações de ajuda em todo o mundo.

Fonte: Guiame, com informações do Evangelical FocusAtualizado: quarta-feira, 6 de outubro de 2021 14:16
Igreja russa oferece ajuda humanitária a crianças sírias que sofrem. (Foto: Mospat.ru)
Igreja russa oferece ajuda humanitária a crianças sírias que sofrem. (Foto: Mospat.ru)

A Aliança Evangélica Mundial (WEA), junto com a Caritas Internationalis, organizou um evento paralelo virtual em 28 de setembro, no contexto da 48ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, Suíça, para avaliar o impacto humanitário das sanções unilaterais.

Wissam Al Saliby, oficial de Defesa da WEA destacou que embora “os evangélicos sejam os primeiros a agir, servir aos pobres, ajudar os deslocados e marginalizados”, a organização cristã “recebeu relatos de que seu trabalho e parcerias são dificultados ou impossíveis em alguns países”.

As sanções unilaterais impediram as igrejas de ajudar os necessitados.

Al Saliby enfatizou que a WEA não é contra as sanções como uma ferramenta nas relações internacionais, mas “hoje, em muitos países, o impacto humanitário e nos direitos humanos das Medidas Coercitivas Unilaterais (UCM) sobre os civis é desproporcional aos seus objetivos declarados”.

“As sanções têm, repetidamente, impedido que as igrejas em todo o mundo ajudem suas contrapartes locais e ajudem os necessitados em países como Cuba, Síria, Irã, Venezuela ou, anteriormente, no Sudão, e agora no Afeganistão, e em outros países”, denunciou Al-Saliby.

Aleppo, na Síria, um dos países mais afetados pelas sanções. (Foto: Aladdin Hammami / Unsplash, CC0)

Ele deu exemplos de igrejas e organizações evangélicas que procuraram fornecer ajuda humanitária, mas “não conseguem superar os obstáculos financeiros e de conhecimento necessários para se candidatar a isenções. Algumas grandes organizações têm uma equipe dedicada ou um escritório de advocacia de apoio, mas este não é o caso da maioria”.

Ajuda essencial

“Se um homem está com fome e vem à igreja em busca de comida, a igreja deveria afastá-lo se ele estiver na lista de sanções de algum governo? Essa delicada questão está assombrando muitas organizações cristãs no Líbano e na Síria hoje”, destacou Al-Saliby.

De acordo com o WEA Advocacy Officer, “outra dimensão do problema, que torna fútil até mesmo as isenções, é o excesso de conformidade dos bancos”.

Na Síria, por exemplo, “ajuda humanitária essencial para salvar vidas, mesmo com isenções, seja atrasada ou negada pelo sistema bancário”.

“Na maioria dos países, o impacto das sanções, sejam elas não intencionais ou não, diretas ou indiretas, seja excesso de conformidade ou não, não é proporcional ao objetivo declarado de provocar uma mudança na política ou atividade visando países, entidades e indivíduos”, acrescentou Al-Saliby.

“Remova as sanções que impedem as igrejas de operar”

Levando todas essas questões em consideração, a WEA exortou os governos a “remover as sanções que impedem as igrejas de operar, seja para trabalho humanitário ou para que as igrejas sirvam e ajudem as pessoas necessitadas, o que é o cerne de nossa missão”.

Eles também apelaram para a remoção das sanções “que impedem a população de um determinado país de ter acesso às necessidades e serviços básicos e suprimentos de saúde essenciais, incluindo o acesso a vacinas e tratamentos Covid-19”, e daquelas que “inibem a reconstrução de infraestrutura básica destruída pelo conflito armado”.

Primeiras recomendações

“Até que isso aconteça”, disse al-Saliby, a entidade evangélica pediu que os governos sancionem as recomendações do 'plano B' “para que seus regimes de sanções não afetem os civis e não impeçam nosso eleitorado de prosseguir com seu trabalho vital”:

- Excluir na lei e na prática o trabalho humanitário e o trabalho das igrejas. “As organizações cristãs e humanitárias não deveriam ter que lidar com isenções”.

- Para investir mais recursos, estabelecer mecanismos mais acessíveis, para ajudar as igrejas e organizações de socorro, pequenas e grandes. “As igrejas e organizações de ajuda não devem arcar com os custos financeiros para navegar nos complexos regimes de sanções”.

- Envolver-se com seu respectivo setor bancário para garantir que as transferências de fundos para bens humanitários e para igrejas possam continuar desimpedidas e para garantir que os fundos de doadores para apoiar a ajuda possam chegar rapidamente aos países sob sanção.

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições