Sete cristãos são expulsos de vila onde moram por não renunciarem à fé, no Laos

A Lei da Igreja Evangélica, aprovada em 2019, concede aos cristãos do Laos o direito de conduzir cultos e pregar, mas não é respeitada.

fonte: Guiame, com informações do RFA

Atualizado: Terça-feira, 20 Outubro de 2020 as 2:28

Cristãos do Laos se encontram escondidos. (Foto: Reprodução / RFA)
Cristãos do Laos se encontram escondidos. (Foto: Reprodução / RFA)

Sete cristãos da província de Saravan, no Laos, foram expulsos de suas casas por se recusarem a renunciar à sua fé e agora vivem na floresta, apesar de uma lei nacional que protege seu livre exercício religioso, dizem fontes locais.

Os sete, que são membros de duas famílias no vilarejo de Pasing-Kang, no distrito de Ta-Oesy, em Saravan, foram despejados em 10 de outubro, disse um cristão local ao Lao Service da RFA em 12 de outubro.

“Esses sete cristãos - incluindo Thongvanh, Net, La, Liap, Ong e Khane - agora vivem em uma pequena cabana na floresta”, disse a fonte da RFA, acrescentando: “Eles não têm comida ou roupas e não sabem quem eles podem pedir ajuda.”

A fonte, que falou à RFA em condição de anonimato, disse que outros membros de seu grupo de igreja estão discutindo entre si e se preparando para visitar os seguidores expulsos e fornecer-lhes assistência.

“As autoridades da aldeia não permitiriam que seus parentes ou outros moradores os ajudassem”, disse uma segunda fonte, acrescentando que os membros da igreja despejados agora enfrentam escassez de arroz e outros alimentos, chamando isso de “necessidade primária”.

“Em segundo lugar, eles também precisam de cobertores”, disse ele. “E, novamente, seus próprios parentes estão com muito medo de serem eles próprios despejados para lhes fornecer o que precisam”.

Também em entrevista à RFA, um oficial da Frente Laosiana para a Construção Nacional da Província de Saravan disse que seu escritório ainda não havia sido formalmente informado sobre o caso.

“As coisas estão calmas”, disse ele. “O líder religioso deles veio aqui e falou com o Escritório de Assuntos Religiosos.”

Um membro da Igreja Evangélica do Laos disse, no entanto, que sua igreja está monitorando de perto a situação.

“Estamos tentando encontrar uma solução para este tratamento injusto”, disse ele, acrescentando que “é triste ver” que os cristãos ainda são abusados ​​no Laos, apesar da aprovação no ano passado de uma lei nacional protegendo a crença religiosa.

A Lei da Igreja Evangélica, aprovada e transformada em lei em 19 de dezembro de 2019, concede aos cristãos do Laos o direito de conduzir cultos e pregar em todo o país e de manter contatos com crentes em outros países.

As igrejas do Laos devem financiar suas próprias operações, no entanto, e devem obedecer a outras leis, regras e regulamentos do Laos.

Os abusos continuam em áreas remotas

No mês passado, membros da igreja trabalhando em cooperação com o Ministério do Interior e a Frente do Laos para a Construção Nacional realizaram seminários nas províncias de Bolikhamxay, Bokeo e Savannakhet, com reuniões semelhantes planejadas em outras áreas para informar as autoridades rurais sobre a nova lei, disse um membro da igreja à RFA em A Hora.

Apenas os cristãos que vivem na capital Vientiane e em outras grandes cidades eram anteriormente reconhecidos e respeitados pelo público em geral, disse a fonte da RFA, falando sob condição de anonimato por razões de segurança pessoal.

Embora melhorias nas condições de liberdade religiosa tenham sido observadas no Laos no ano passado, casos de abuso ainda eram vistos em áreas rurais remotas, disse a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF) em um relatório divulgado em maio.

“Nos últimos anos, o número de pessoas presas ou detidas por suas práticas religiosas diminuiu”, disse a USCIRF, acrescentando que não houve relatos em 2019 de autoridades do governo central realizando prisões, “embora tenha havido vários casos em nível local.”

Famílias étnicas Hmong no Laos continuam sendo objeto de suspeita pelas autoridades, com três famílias despejadas de suas casas e vilarejos na vila de Tine Doi da província de Luang Namtha no início deste ano por se recusarem a renunciar à sua fé, disseram fontes à RFA em um relatório anterior.

Em 15 de março, o pastor laosiano Sithon Thipavong foi preso por oficiais locais por conduzir atividades religiosas não especificadas no vilarejo de Kalum Vangkhea, no distrito de Xonbury, província de Savannakhet, sem nenhuma explicação oficial para sua prisão.

E em fevereiro, 14 cristãos de três famílias foram despejados de suas casas na aldeia de Tindoi, distrito de Long, em Luang Namtha, porque se recusaram a participar de um ritual animista de “Honra ao Fantasma” em sua aldeia.

veja também