Somália executa 21 terroristas do Al-Shabaab, após sentença de tribunal

A ação foi considerada a maior em número de execuções de soldados jihadistas, em Puntlândia.

fonte: Guiame, com informações de Portas Abertas

Atualizado: Terça-feira, 29 Junho de 2021 as 11:47

O Al-Shabaab promove a ideologia anticristã e realiza diversos ataques contra os seguidores de Cristo. Foto: AFP)
O Al-Shabaab promove a ideologia anticristã e realiza diversos ataques contra os seguidores de Cristo. Foto: AFP)

Há mais de uma década que a Somália vem lutando contra o extremismo islâmico. Os ex-muçulmanos são considerados “alvos preciosos” pelos jihadistas e são executados no mesmo momento em que são identificados como “infiéis”.

Para conter essa intensa violência, o estado de Puntlândia, que fica ao nordeste da Somália, executou 21 combatentes do grupo Al-Shabaab. Não é a primeira vez que um estado condena jihadistas à morte, mas esse é considerado o maior em execuções de soldados do Al-Shabaab, em Puntlândia. 

A sentença de fuzilamento dos extremistas foi dada por um tribunal militar em Galkayo. De acordo com a rádio estatal, 18 dos homens condenados assassinaram e participaram de atentados a bomba por mais de dez anos seguidos.

No momento da execução, o grupo extremista atacou a cidade de Wisil, na região de Mudug, e as vítimas foram alguns soldados. As autoridades do estado prometeram punir os cidadãos que forem descobertos ajudando o grupo nos ataques. 

O Al-Shabaab controla boa parte do Sul e Centro do país e arrecada mais dinheiro que o governo da Somália, de acordo com o Instituto Hiraal, que trabalha no enfrentamento da insegurança em países do Chifre da África.

Situação da Igreja na Somália

A Somália ocupa o 3º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2021, onde a opressão islâmica é um dos principais responsáveis pela hostilidade aos cristãos. Admitir publicamente a fé é muito difícil e pode resultar em assédio, intimidação e morte. 

O país praticamente se transformou em um centro para o islamismo militante e lar de terroristas, de acordo com a Portas Abertas. Quem nasce na Somália é considerado um muçulmano. Abandonar a religião nacional é praticamente um crime. 

Não há perspectiva de melhoras, pelo contrário, nos últimos anos a situação parece ter piorado na Somália. Os militantes islâmicos intensificaram os ataques aos cristãos, principalmente aqueles em posição de liderança. Mesmo assim, os poucos cristãos somalis continuam firmes em sua fé, apesar de tantas dificuldades.

veja também