Tensão aumenta para cristãos na Somália

Tensão aumenta para cristãos na Somália

Atualizado: Segunda-feira, 27 Setembro de 2010 as 9:54

A guerra civil irrompeu na Somália, em fevereiro de 2006. A “União dos Tribunais Islâmicos”, ICU, uma aliança da sharia ligada aos clãs Mogadishu baseado no tribunal sharia, levantou-se contra a “Aliança para a Restauração da Paz e da Luta contra o Terrorismo”, líderes militares que foram antigos guardas apoiados da ONU e financiados pelo Governo Federal de Transição (GFT) dos Estados Unidos.

Quando Mogadishu cedeu a ICU em junho de 2006, o TFG fugiu para cidade regional de Baidoa, perto da fronteira com a Etiópia. Depois, o Sheikh Hassan Dahir Aweys, um designado terrorista e ex-chefe da al-Qaeda ligado a al-Itihaad al-Islamiya, foi nomeado chefe do então Conselho Sura do ICU (parlamento). Em anuncio, declarou: "Aquele que não executa [a islâmica oração] será considerado como infiel, e nossas Leis sharia dizem que essa pessoa deve ser morta." Além disso, ele não só ameaçou os somalis, mas como um irredentista somali (aquele que procura uma "Grande Somália”) e um jihadista islâmico, Aweys e o seu regime são uma ameaça à segurança nacional da Etiópia.

Em 20 de julho de 2006, forças etíopes apoiadas pelos EUA, entraram na Somália para defender o TFG e expulsar a ICU. Militantes islâmicos responderam declarando a jihad. Em dezembro de 2006, na Etiópia, eles tinham derrubado a ICU. No entanto, assim que os EUA descobriram no Afeganistão e no Iraque uma "vitória", marcou-se o início de uma rebelião sangrenta. O exército convencional etíope nunca teve uma chance contra a fonte inesgotável dos bem armados, bem abastecidos, treinados e doutrinados na Somália e internacionais jihadistas islâmicos. De todos os grupos insurgentes, Al-Shabab é o mais radical e agressivo. Em um ramo da ICU, o jovem e apoiado pelo grupo do al-Qaeda pede apoio para estabelecer um estado islâmico do estilo do Taliban. Nos próximos dois anos, os jihadistas recuperarão o controle sobre grande parte do sul da Somália.

A Etiópia, em janeiro de 2009, frustrada pela falta de apoio internacional, retirou suas tropas, permitindo que os islamitas voltassem para Mogadishu, onde continuariam a luta contra a União Africana apoiada pelo TFG. Este tentou cessar a paz, oferecendo a implementação da Lei sharia. Isso não foi suficiente para os jihadistas, incluindo dentre refugiados somalis e comunidades de emigrantes, especificamente jovens somalis, titulares de passaportes estrangeiros.

Em sua campanha para eliminar o "vice", a Al-Shabab apedrejou até a morte meninas que foram estupradas, atirou e matou meninos que assistiam futebol e executou muitos "apóstatas". Em setembro de 2008, Mansuur Mohammed, 25 anos, tornou-se o primeiro cristão somali a ser martirizado nas mãos da Al-Shabab. Depois de ser publicamente denunciado como um "murtid” (traidor do Islã), Mohammed rejeitou uma oferta para se converter ao islamismo e ser poupado de enfrentar uma decapitação pública - filme que foi amplamente divulgado depois.

No mês seguinte, militantes da Al-Shabab decapitaram os filhos de 11 e 13 anos de Musa Mohammed Yusuf, depois que ele se recusou a fornecer informações sobre um líder de igreja local. Em 10 de julho de 2009, sete somalis foram publicamente decapitados em Baidoa simplesmente por serem cristãos. Até a data, cerca de 20 cristãos somalis - a maioria líderes da igreja - são conhecidos por terem sido mortos a tiros ou decapitados. A Al-Shabab sistematicamente escolhe como alvos os cristãos somalis para a eliminação.

Em 21 de julho de 2010, militantes da Al-Shabab entraram na casa de Osman Abdullah Fataho em Afgoi, 30 quilômetros de Mogadishu, e o mataram em frente a sua esposa e filhos. Cristão há muito tempo, Fataho foi alvo porque era um convertido do islamismo e ativo na igreja subterrânea local. Depois de raptar a mulher de Fataho e seus quatro filhos, os militantes a liberaram, porém suas quatro crianças (de 5 a 15) ficaram para uma lavagem cerebral e treinamento como jihadistas.

A Al-Shahab tem ambições locais, regionais e internacionais. Apesar de alguns esforços do poder, a Al-Shabab continua aliada aos Aweys, Hizbul Islã. Na semana passada foram apreendidos rádios e TV em Mogadishu. Na segunda-feira, 20 de setembro um terrorista suicida se explodiu as portas do Palácio Presidencial do TFG após ser baleado durante tentativa de entrada. Ele era um ex-guarda de Segurança do Ministério do Interior que havia desertado para a Al-Shabab. Agora os jihadistas estão literalmente à porta.

Por favor, ore especificamente: • Para que Deus cerque com o seu amor eterno e encha com sua paz a viúva de Osman Abdullah Fataho e todos de luto na Somália, assim como os cristãos traumatizados. • Para que Deus preserve, conforte e intervenha na entrega de Ali Daud Fataho (5), Fatuma Safia Fataho Fataho (7), Sharif Ahmed (10) e Said Nur Fataho (15) para o bem da Igreja, dos filhos, e de seus pais fiéis - um mártir, e uma viúva em luto. • Para que Deus intervenha no caos da Somália protegendo e livrando a Sua Igreja. Que o inimigo conheça apenas a confusão, frustração e fracasso, sendo enfraquecido; que o trauma, as lágrimas e a desilusões sirvam para preparar o terreno para uma obra impressionante de Deus.

Tradução: Carla Priscilla Silva

veja também