Terceiro Congresso Mundial de Evangelização foi pouco latino

Terceiro Congresso Mundial de Evangelização foi pouco latino

Atualizado: Quinta-feira, 28 Outubro de 2010 as 2:11

O III Congresso de Lausanne foi marcado por testemunhos emocionantes de cristãos fiéis que estão enfrentando o sofrimento em favor do Evangelho em países como Índia, Coréia do Norte e Oriente Médio, pela descoberta da riqueza contida na carta de Paulo aos efésios, pelos diálogos ao redor de mesas entre pessoas de lugares diferentes e pelo tom de urgência e pragmatismo.

As opiniões sobre o congresso eram diversas: uns sentiam-se renovados espiritualmente; outros reclamavam de um conteúdo superficial. Os latino-americanos sentiram-se prejudicados pela pouca visibilidade dada ao continente e à sua teologia. O momento sintomático foi a exibição de um vídeo que se propunha em dar um panorama do Cristianismo no continente.

Foi unâmine o mal-estar, já que muitas informações estavam desatualizadas ou mesmo erradas. Outro indicador desta insatisfação foram as palavras dos teólogos latinos René Padilla e de Samuel Escobar, ícones da Missão Integral, e considerados grandes personagens da redação do Pacto de Lausanne.

Na noite do dia 20, eles apontaram três preocupações que deveriam ser mais bem exploradas neste congresso: 1) o evangelismo como a tarefa de fazer discípulos e não simplesmente convertidos; 2) a globalização e seus efeitos sobre milhões de pobres; 3) e o sistema econômico e sua destruição do meio ambiente. Nos dois últimos dias, o congresso chegou mais próximo destas preocupações, no entanto, sem grandes avanços.

Por outro lado, o III Congresso de Lausanne foi muito importante para fazer com que os desafios atuais da chamada igreja global sejam conhecidos e sentidos por todos os continentes. A este fato, o pastor brasileiro e integrante do grupo que vai concluir o documento oficial do congresso, Valdir Steuernagel, fez uma excelente síntese, diante dos reclamos dos latino-americanos: “Lausanne precisa aprender a olhar para a América Latina, mas nós, latinos, precisamos aprender a olhar o mundo”.

veja também