Torre de oração é destruída pelo governo no Nepal

O governo alegou que os cristãos não tinham permissão para construir no local, onde também funcionam mosteiros e templos budistas.

fonte: Guiame, com informações da Portas Abertas

Atualizado: Sexta-feira, 28 Junho de 2019 as 4:50

De maioria hinduísta, apenas 4,1% da população do Nepal é cristã. (Foto: Portas Abertas)
De maioria hinduísta, apenas 4,1% da população do Nepal é cristã. (Foto: Portas Abertas)

Uma torre de oração, que foi construída no início do mês para cultos, foi demolida por oficiais no Nepal. Esta é mais uma demonstração do cenário de perseguição religiosa que assola o país asiático.

A “Torre de Oração Batase”, construída em uma floresta no município de Nawalparasi, era composta de seis ou sete pequenas cabanas de madeira, chapa de zinco e ferro, incluindo banheiros e tanque de água, e os cristãos se reuniam ali para cultos e orações. 

O governo alega que não havia permissão para a construção na área florestal. Embora os líderes da igreja não tivessem documentos adequados para isso, eles tinham a permissão dos funcionários do Ministério da Floresta, uma vez que havia também mosteiros e templos budistas construídos no mesmo local.

Segundo o parceiro da organização Portas Abertas, a demolição aconteceu de repente, sem qualquer aviso prévio. “Eles sequer permitiram que fizéssemos fotos ou vídeos durante a destruição das cabanas”, disse ele, sem a identidade revelada.

O índice de perseguição aos cristãos no Nepal vem aumentando: foram registrados 36 incidentes nos primeiros 4 meses, segundo parceiros da Portas Abertas. 

Desses, 6 casos são de pessoas sendo forçadas a sair de casa por causa de sua fé, 3 incidentes de boicote social, 4 de abuso físico e 2 casos de detenção pela Polícia, todos por causa de sua fé cristã. Outros incidentes registram casos de notícias falsas e discurso de ódio contra cristãos.

Outro caso de intolerância aos cristãos no Nepal aconteceu uma semana antes da demolição da Torre de Oração. “Há poucos dias, autoridades do governo invadiram violentamente o Hospital Ananda Ban, administrado por um ONG internacional que trata de leprosos”, contou o parceiro. 

O governo acusou o hospital de pregar o Evangelho e tentar converter as pessoas ao cristianismo em troca de tratamentos gratuitos. “Eles também queimaram 30 Bíblias no pátio do hospital, gerando um caos entre pacientes, médicos e funcionários. A reputação do hospital foi abalada e a equipe está trabalhando sob forte pressão e medo”, explica.

Histórico de perseguição

Outros cristãos também estão sendo detidos por motivos fúteis e acusações infundadas. No início de junho, um menino cristão chamado Ashik de Dharan foi acusado de matar uma vaca quando estava tentando remover a vaca morta do lado do rio. Ele e dois outros amigos foram mantidos sob custódia e tiveram de pagar uma fiança de 50 rúpias (aproximadamente 2,80 reais. Mas vale lembrar que um trabalhador médio recebe 150 rúpias por dia).

Em 21 de junho, um outro cristão foi preso sob a acusação de tentativa de conversão, porque estava compartilhando sobre a fé cristã com algum moradores de uma vila, com base em uma queixa feita por dois meninos da aldeia. Além dele, outro menino, Hari Singh Sunar, também está sob custódia da polícia e podem ser processados a qualquer momento.

A Lei Criminal do Nepal proíbe a conversão ou o proselitismo religioso forçado. Os cristãos culpados de tal crime podem ser presos por cinco anos e multados em 50 mil rúpias. Esse projeto de lei, promulgado há dois anos, está sendo implementado e usado fortemente contra cristãos que falam sobre sua fé ou estão administrando qualquer ONG entre a população mais carente.

O Nepal está em 32º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2019 da Portas Abertas, que classifica os 50 países que mais perseguem cristãos no mundo. O país de maioria hinduísta tem cerca de 29,6 milhões de habitantes. Destes, 66,5% é hinduísta, e 4,1% é cristão.

veja também