Viúva cristã é atacada na Índia

Viúva cristã é atacada na Índia

Atualizado: Terça-feira, 8 Junho de 2010 as 8:24

Após sobreviver a um brutal ataque no dia 2 de junho, Dhanya agradece ao Senhor pela sua vida. Mas, seu filho Ishwar está hospitalizado em uma situação crítica. Ambos foram atacados por duas pessoas motivadas por mentiras contra a família. Mãe e filho foram violentamente espancados por dois jovens com espadas e bastões pesados enquanto trabalhavam coletando flores no matagal para vender em um supermercado. Os agressores deixaram Ishwar inconsciente e pensaram que ele estava morto, por isso foram embora, após atacar a mãe, que também ficou jogada em meio ao matagal.

Eles foram encontrados por um missionário que vive na região e por moradores e levados ao hospital. Dhanya tem um filho mais velho, Jeevan, que não estava com eles no momento do ataque.

Acusadas de feitiçaria

O motivo do crime foi a vingança da família de um garoto de sete anos que morreu há um ano. A culpa pela morte do menino recaiu sobre Dhanya por ela ser viúva. Em muitas partes da Ásia, é comum as viúvas serem acusadas de praticar feitiçaria, além de serem consideradas culpadas pela morte dos maridos. Por causa disso, as viúvas são expulsas da sociedade e mal vistas. Muitas se suicidaram em um ritual durante o funeral do marido, onde o caixão é queimado, se jogando sobre os mesmos. Essa prática religiosa era admirada, mas na verdade as viúvas simplesmente faziam isso para escapar de uma vida de preconceitos, culpa e isolamento que teriam que suportar sozinhas. A prática foi declarada ilegal, embora ainda aconteça ocasionamente.

Dhanya converteu-se ao cristianismo em 2002, através de uma agência missionária que mantém um missionário na região. Após sua conversão, ela encontrou a liberdade em Jesus, da vida desesperada de culpa que tinha. Ela percebeu que alguém se importava com ela e não resistiu ao amor de Jesus.

O missionário pede oração pela saúde de Ishwar, conforto a Dhanya e ao filho Jeevan e que o Evangelho de Jesus se espalhe na região, apesar de toda a situação contraditória que existe no local.

Tradução: Vera Resende

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também