Voluntários cariocas da Tenda da Esperança se reúnem

Voluntários cariocas da Tenda da Esperança se reúnem

Atualizado: Sexta-feira, 30 Outubro de 2009 as 12

No último sábado, um grupo de voluntários da Tenda da Esperança que mora no Rio de Janeiro resolveu fazer um culto em gratidão a Deus pelo projeto realizado e pela oportunidade da participação no mesmo. Assim, na noite do dia 24 de outubro, o culto foi celebrado no templo da Igreja Batista Missionária do Maracanã, pastoreada pelo pastor Alexandre Paschoal Aló que até o ano passado foi vice-reitor do Seminário Teológico Batista Equatorial, em Belém do Pará, que tem prestado todo o apoio à Tenda.

O culto foi dirigido pela gerente regional de Missões Nacionais no estado do Rio de Janeiro, missionária Cláudia Souza, contou com testemunhos de alguns voluntários e pregação do gerente executivo de evangelismo e discipulado da JMN, pastor Nilton Antonio de Souza. Em sua palavra, pastor Nilton lembrou que a participação no projeto precisa gerar mudança em suas próprias vidas e também em suas igrejas. ''Vocês precisam ser bênção em suas igrejas. O projeto terminou, mas vocês precisam fazer diferença onde estão'', lembrando que é necessário manter o ardor por conquistar vidas para Jesus onde estiver. Ao final, fez um apelo para aqueles que sentissem o chamado de Deus para a obra missionária,quando cerca de dez irmãos foram à frente.

Dois voluntários deram seus testemunhos e citaram o problema das meninas escalpeladas do Pará, vítimas de acidentes de barco que perdem não só seus cabelos, mas também o couro cabeludo. O desejo dos voluntários é lançar uma campanha para conseguir cabelos para fabricação de perucas para amenizar as consequências deste terrível acidente. Já durante a Tenda da Esperança, 30 voluntárias doaram seus cabelos. Além disso, o grupo deseja buscar formas para que estes acidentes sejam evitados. Suzana Trindade (Segunda Igreja Batista do Plano Piloto, que deu um dos testemunhos, ao saber do culto, veio de Brasília para participar e afirmou: ''Belém do Pará não sai mais do meu caderninho de oração''.

Em breve divulgaremos mais informações sobre a campanha em favor das meninas escalpeladas.

veja também