120 horas de adoração e intercessão no carnaval

120 horas de adoração e intercessão no carnaval

Atualizado: Terça-feira, 17 Fevereiro de 2009 as 12

  Da Redação

Drogas, bebidas e promiscuidade fazem parte do feriado de Carnaval. Nesse período, há quem prefira retirar-se para um lugar calmo e dedicar-se mais no conhecimento de Deus, por isso são comuns retiros espirituais nesse época do ano. Entretanto, muitos cristãos acreditam que nesses dias é mais apropriado permanecer nas cidades e fazer o nome de Cristo conhecido.

É nesse contexto que a "Santa Convocação" se encontra. Há cinco anos, nesse mesmo período, evangélicos de diversas denominações reúnem-se para adorar ao Senhor e interceder pela Nação. Para o ano de 2009, em muitas cidades do Brasil, são esperadas 50 equipes, o que representa cerca de 15 mil pessoas para 120 horas de adoração e intercessão. Estão confirmadas as participações dos pastores Asaph Borba e Adhemar de Campos.

Confira agora a entrevista  exclusiva que o organizador do "Santa Convocação", Apóstolo Dawidh Alves, concedeu ao Guia-me .

Guia-me:  A Santa Convocação é desenvolvida por uma coordenadoria formada por integrantes de diversas demoninações e não por um ministério específico. Ainda assim, com esse formato, é possível dissolver os interesses particulares de uma liderança? Os ministros envolvidos deixam de se ater as suas doutrinas em prol de uma visão do Reino?

Ap. Dawidh Alves: Na verdade nunca houve interesses doutrinarios, denominacionais ou particulares em torno da Santa Convocação. Deus tem nos dado a benção de trabalhar lado a lado com líderes, intercessores e adoradores que, não apenas na coordenação, mas também entre os ministérios participantes, entendem perfeitamente o que estamos fazendo e a necessidade de fazê-lo sempre pelo Rei e por Seu Reino, única e exclusivamente para a Sua glória, em favor do Brasil, e isso tem permitido que Ele continue usando e abençoando a Santa Convocação. Nenhum nome, ministério, igreja, equipe ou pessoa se sobressai. Todos estamos comprometidos em manter apenas o Senhor Yeshua no centro de toda a adoração.  

Guia-me: Quais denominações fazem parte da coordenadoria?

Ap. Dawidh Alves: Estão envolvidos batistas, presbiterianos, metodistas, assembleianos, comunidades e também diversas igrejas e ministérios autônomos. Isso tem feito toda a diferença. Não é algo de uma pessoa ou de uma linha teológica específica, mas sim, a Igreja como corpo e família, adorando o Senhor em unidade.

Guia-me: O evento é exclusivamente de adoração e intercessão. No regulamento, publicado no site, consta que não é permitido ministrações de cura, libertação ou mesmo pregação da palavra. Qual o motivo dessa opção?

Ap. Dawidh Alves: Na verdade, nas últimas edições já incluimos a ministração da Palavra em alguns momentos, por entendermos a necessidade de se deixar sempre claro o que estamos fazendo e o que o Senhor está falando ao Seu povo e à nação, porém, as definições de não ministrarmos uns aos outros em particular seguem vigentes, em função do objetivo principal: manter o foco no eterno, adorando-o, atraindo Sua presença e Seu favor para o Brasil, por meio da adoração.

Guia-me:  Como tem sido a aceitação das denominações evangélicas, tem aumentado a adesão delas ao projeto? A unidade da Igreja tem de fato prevalecido?

Ap. Dawidh Alves: Sabemos que ainda há muito por se fazer em favor da unidade da Igreja, mas temos visto o Senhor nos respaldar. A cada ano, mais igrejas e ministérios se unem e entre os que participam, há unidade o propósito, graças a Deus.

Guia-me:  Um dos objetivos é "fechar os Céus para a adoração idólatra e profana". Você acredita que o fim do carnaval no Brasil será uma realidade dessa geração?

Ap. Dawidh Alves: Com todo o meu coração, com todas as minhas forças e com toda a minha fé. Sei que veremos o gigante tombar e a nossa amada Nação livre, definitivamente livre de toda forma de adoração profana e idólatra. Em nome do Senhor Jesus!

Guia-me:  Muitas profecias em relação aos planos de Deus para o Brasil já foram lançadas. Ainda assim, a divisão da Igreja brasileira é um dos fatores que pode impedir um agir de Deus com maior intensidade. Você acredita que essa divisão da Igreja evangélica ainda acontece? Como romper com ela, na medida em que cada denominação possui sua visão particular?

Ap. Dawidh Alves: Tenho aprendido que unidade não exige estar junto em tudo e o tempo todo. Ainda que nem todos estejam fazendo as mesmas coisas, nem abraçando as mesmas promessas de Deus para o Brasil, de alguma forma, entendo que todos os sinceros filhos de Deus e verdadeiros discípulos de Cristo estão lutando a favor do cumprimento dos propósitos do Senhor em nosso País. Isso me dá esperança para continuar crendo que ainda veremos a Igreja caminhando numa mesma direção e trazendo assim, as promessas à realidade. Com a graça do Espírito veremos os planos de Deus se cumprirem! Creio que podemos cooperar para que as divisões terminem, amando-nos mais, respeitando-nos e sabendo esperar uns pelos outros, sem críticas e preconceitos, mesmo quando não fazemos as mesmas coisas nem cremos em tudo da mesma forma. Afinal, só há um Deus, um só Senhor e uma só Igreja. Aleluia!

Guia-me: Nomes como Asaph Borba e Adhemar de Campos já estão confirmados para a "Santa Convocação 2009". Você pode comentar o motivo de convidar estes líderes? Eles já participaram de outras edições?

Ap. Dawidh Alves:  Adhemar de Campos já esteve conosco antes, mas Asaph vem pela primeira vez. Insistimos na particpação deles por reconhecermos que, dentre tantos outros, estes irmãos são pioneiros na obra de restauração da adoração no Brasil. Não estaríamos onde e como estamos hoje na adoração sem o trabalho destes amados. Reconhecemos a importância do que eles fizeram pela musica, pelo louvor, pela adoração, pela Igreja na nação e, sabemos que continuam contribuindo, por tudo isso, queremos estar com eles adorando juntos ao nosso Deus. Sabemos que será uma bênção e que deixaremos o Senhor feliz com isso, com mais esta Santa Convocação! Ao Seu nome, toda a glória!

Conheça melhor o Santa Convocação .

Foto: Arquivo Pessoal

veja também