A educação e a missão da igreja

A educação e a missão da igreja

Atualizado: Quinta-feira, 14 Abril de 2011 as 2:25

Não lhe parece contraditório que num mundo tão cheio de tecnologias o prazer pelos estudos pareça ter desaparecido?

Percebo que as famílias não estão preparadas para acompanhar toda a velocidade de informações presente na contemporaneidade quando precisam filtrar e mediar todas elas.

Você pode ajudar seu filho a aprender a conhecer, pois esta não é responsabilidade somente dos professores da escola ou da igreja. Invista no diálogo e na formação de hábitos saudáveis e crie um ambiente acolhedor no qual a família possa ser referencial e influenciadora na educação dos pequeninos.

Não podemos perder de vista o papel da família, caracterizado pelo respeito à natureza da criança e, principalmente, o processo de construção de conhecimento dela. Isto quer dizer que os pais são orientadores dos filhos, pois ajudam a formar seus pensamentos em relação ao mundo no qual vivem. Os pais são mediadores, facilitadores que instruem, aconselham e orientam.

Assim, podemos definir como mediadores os professores, os pais, os responsáveis, a televisão, a internet, ente outros atores, cada qual exercendo uma “certa influência”, maior ou menor, na formação da criança.

Continuo insistindo na palavra “mediação” fazendo algumas perguntas para reflexão: Qual o nível de mediação que você - pai, mãe, responsável, educador - está exercendo na vida das crianças? Será que a TV, os brinquedos eletrônicos e o computador têm maior influência do que você? Como podemos criar em casa um espaço acolhedor para a criança aprender e qual a sua participação nesse processo?

Seja um parceiro mediador na educação do seu filho. Em primeiro lugar, estimule a sua curiosidade. Os pequeninos adoram desafios. A curiosidade constitui a base da aprendizagem ao longo da vida. As crianças exercitam o aprender a compreender o mundo através do prazer de conhecer e descobrir a aprendizagem, experimentando situações ou atividades que despertem a curiosidade intelectual, que estimulem o senso crítico, que permitam compreender o real e que exercitem a atenção e a memória.

Ajude a criança a colocar em prática os conhecimentos. Ela aprende fazendo, e isto favorece a sua experiência. Ela pode ser ajudadora em várias situações. Crie as possibilidades.

Incentive a cooperação. O confronto por meio do diálogo e da força de argumentos é um dos instrumentos indispensáveis para a educação do século XXI. No âmbito infantil são situações que colocam as crianças em atividades de grupo nas quais têm a oportunidade de valorizar aquilo que é comum a todos, respeitando as diferenças, estimulando a cooperação e aprendendo a compartilhar, por menores que sejam as atividades.

Reforce o autoconhecimento. Como adultos podemos levar os pequeninos a exercitarem a imaginação e a realizarem atividades nas quais possam viver diferentes papéis para que entendam melhor o mundo.

Proponho formar em sua casa um ambiente mais acolhedor para os estudos das lições da revista, um trabalho voltado para desenvolver nas crianças o prazer de estudar e de aprender. Crie em sua casa um ambiente para a criança guardar seu material da Escola Bíblica, seus livros e um local para estudar.

Pais e filhos podem partilhar uma mesma experiência gostosa no momento de estudar a lição da Escola Bíblica. Porém, não faça deste momento de estudos um “campo de concentração” com brigas, gritos e insistência para que pare o pequenino de brincar ou ver TV e passe a estudar. Se você passa por este momento, chame a criança para conversar, um bate-papo.

Estabeleça um horário para os estudos, no qual você está disponível para ajudar a tirar as dúvidas que eventualmente venham a existir. Estimule a criança a expressar suas dificuldades. Ouça, dê atenção a elas, pois essa é a maneira de formar pessoas seguras e felizes.

Uma dica, ofereça livros de histórias da Bíblia ilustradas, além de outras literaturas. É necessário observar a idade cronológica da criança e, principalmente, o estágio de desenvolvimento de leitura em que ela se encontra. Frequente livrarias, feiras de livros e bibliotecas. Estas são sugestões excelentes para tornar permanente o hábito de leitura. Muitas vezes as crianças não querem estudar, pois não desenvolveram hábitos saudáveis de leitura. Seja um exemplo. Leia a Bíblia perto das crianças.

Invista nas regras de convivência que têm uma abrangência maior na formação de hábitos e atitudes e no desenvolvimento da autonomia da criança. Converse com ela sobre algumas regras de convivência da sua casa e registre essa conversa em papel pardo e coloque o cartaz em lugar visível. Sempre que precisar, reflita com a criança sobre as anotações escritas no cartaz.

Leve a criança a refletir sobre a sua responsabilidade em cumprir as regras de convivência. Escreva essas regras e diga ao pequenino que você acredita que ele vai conseguir cumprir o que prometeu. Estimule a criança a dizer o que sente com relação a essas regras.

Tranquilizo os pais que enfrento estas situações, e afirmo que não devem desanimar diante de tantos desafios. Educar não é uma tarefa fácil, porém realizável à medida que investimos tempo. Tenho visto através das minhas próprias experiências como mãe que à medida que as crianças crescem elas adquirem conhecimentos e assimilam conceitos que até nos surpreendem. Vale a pena participar da educação de nossos próprios filhos e sermos mediadores na construção de conhecimentos. Nossa intervenção como pais e responsáveis precisa ser algo grande. Então, “gaste” tempo na educação de seus filhos. Gaste para “ganhar”. Ouse ser mais participativo!

Por JOVANA NUNES

Educadora religiosa, membro da IB Itacuruçá (RJ)   Via CBB

veja também