A esperança sempre viva

A esperança sempre viva

Atualizado: Quarta-feira, 29 Junho de 2011 as 12:42

“Na tua comprida viagem te cansastes; mas não dizes: Não há esperança; o que buscavas, achastes; por isso não desfaleces” (Is 57: 10).

No mundo ouvimos a seguinte frase: “A esperança é a última que morre”. Mas eu discordo em parte desta afirmação.  Talvez para os que apenas contam com suas próprias forças e capacidades esta seja uma realidade. Mas para aqueles que têm um Senhor amoroso como seu Deus, esta declaração não possui nenhum fundo de verdade, pois assim afirma sua Palavra:

“Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio e cuja esperança está posta no Senhor seu Deus”  

Quando a nossa esperança está posta naquilo que Deus afirma em Sua Palavra, não precisamos temer. O que o Senhor nos declara Ele mesmo cumprirá. Ele mesmo nos diz isto em Jeremias 1: 12 _ “E disse-me o Senhor: viste bem; porque eu velo sobre a minha Palavra para cumpri-la”. Como não crer nesse Deus maravilhoso, único e verdadeiro, que toma conta da Sua Palavra?

Eu mesma provei a fidelidade do Senhor em minha vida várias vezes. Já passei por vales profundos, onde, humanamente falando, não havia saída. A caminhada foi comprida, cansativa, mas eu não perdi a esperança; e pude dizer como o apóstolo Paulo “eu sei em quem tenho crido”. Ele renovou as minhas forças, não desfaleci, e o que eu buscava, achei, assim como diz o Texto de Isaías 57: 10 que serviu de base a esta mensagem.

Muitos têm dificuldade de entregar-se aos cuidados de Deus, pois só entendem o natural humano. A bíblia chama a esses de carnais. Deus é espírito. Para entendê-Lo é preciso estar no mesmo nível Dele, ou seja, em espírito. É urgente aprendermos a exercitar o nosso espírito para que ouçamos a voz do Espírito de Deus nos guiando na Verdade. Ele não nos fala na mente.

“Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parece loucura; e não podem entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” (1 Co 2: 14).

Quando buscamos a vontade de Deus, Ele mesmo renova nossas forças para que possamos alcançar Suas promessas. E quando fazemos da vontade de Deus para nós um alvo, já podemos cantar o hino da vitória, pois ela é certa. Se não tivermos um alvo, não chegaremos a lugar nenhum. Naquilo que Deus fala eu encontro forças para continuar, até alcançar o alvo. A fé não é “um tiro no escuro”, mas “firme fundamento”, certeza em algo real (Hb 11: 1), e ela só é possível através do “ouvir a Palavra de Deus” (Rm 10: 17).

Somente os que desconhecem a terra de promessas, que é a Palavra de Deus, é que podem afirmar que “a esperança é a última que morre”. Infelizmente encontramos dentro das igrejas os que desprezam a comunhão com Deus e o estudo da Palavra, e a tacham de ultrapassada. A própria Bíblia se refere a esses de ímpios. Ímpio não é apenas o pecador que está fora da igreja (esses são os iníquos); mas sim aqueles que desprezam a Palavra, que podem estar sentados nos bancos das igrejas aos domingos, e viver uma vida vazia no restante da semana. Para o crente em Jesus, que é a sua esperança, ela não morre nunca!

“Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se afadiga nem deixa de dar fruto”. (Jr 17: 7, 8)

Deus compara aqueles cuja esperança está alicerçada Nele com as árvores plantadas junto às águas. Esta é a mesma água a qual Jesus se refere à mulher samaritana junto ao poço (Jo 4: 14), ou seja, Ele próprio. Ela mesma saciará a sede e fortalecerá a árvore (nós) para que se produzam os frutos necessários para o Seu Reino.

Precisamos renovar nossa esperança nas promessas que Deus faz ao nosso respeito. Temos o aval Dele mesmo:

“Porque todas quantas promessas há de Deus são Nele o sim; e por Ele o Amém, para a glória de Deus por nós” (1 Co 1: 20).

“Porque deveras há um fim bom; não será frustrada a tua esperança”

(Pv 23: 18).

Que o Espírito Santo nos capacite a compreender a profundidade do Seu amor por nós, através do conhecimento da Sua Palavra.

Mônica Valentim

Mônica Valentim   é pedagoga, com expecialização em Orientação Educacional e Profissional; pós- graduada em Psicomotricidade. Possui especialização em Modificabilidade Cognitiva PEI- Nível I, Jerusalém, Israel. Bacharelanda em Teologia.  

veja também