"A Gente da Comunidade" do Rio Grande do Sul ajuda vítimas de incêndio

"A Gente da Comunidade" do Rio Grande do Sul ajuda vítimas de incêndio

Atualizado: Sexta-feira, 3 Setembro de 2010 as 1:37

O grupo “A Gente da Comunidade” (AGC), do Rio Grande do Sul, tem se empenhado ao máximo para assistir os gaúchos que necessitam de assistência social. No dia 22 de agosto, um incêndio atingiu os moradores do bairro Anchieta-Humaitá, na região metropolitana de Porto Alegre, fazendo com que quatro casas fossem atingidas pelas chamas. Um curto circuito nas instalações elétricas da comunidade teria causado o incidente, provocando queimaduras em um dos moradores e morte de animais domésticos.

Ao ouvir o noticiário do que havia acontecido no bairro, o Grupo imediatamente tomou providências para ajudar as vítimas. A coordenadora do AGC no Rio Grande do Sul, pastora Lurdes Valim e o coordenador de eventos e ação social, Alex Mendes, realizaram o cadastramento de 4 famílias que tiveram suas casas totalmente destruídas pelo fogo. Além disso, entregaram 10 cestas básicas e mais de 200 peças de roupas e mantimentos, bem como cobertores e calçados.

Segundo Alex, mais de 15 pessoas, entre adultos e crianças, ficaram sem casa, tendo que ser levadas para a residência de parentes. Uma das vítimas é Ana Lúcia Martins, 35 anos, que trabalha com material reciclável, e mora no bairro há vários anos. Mãe de cinco filhos, não sabe o que vai ser feito para reconstruir o barraco destruído pelas chamas. Bastante emocionada, relatou o momento em que um dos vizinhos viu o fogo vindo na direção das casas, através da fiação dos postes de luz. "Não deu tempo pra mais nada, só deu tempo de pegar as crianças e sair correndo. Meu marido não conseguiu salvar nem os animais, que foram queimados junto com o barraco. Um dos animais foi uma cabra, que estava para dar à luz três filhotes e era um dos sustentos da casa”, entristece-se.

Este trabalho social, promovido pela Igreja Universal através do grupo, também está presente em várias outras ações pelo estado. Uma vez por mês, por exemplo, uma Caravana da Solidariedade sai pelos bairros realizando cortes de cabelo, assistência médica, atendimento jurídico e com assistentes sociais, doações de roupas e alimentos, atividades de recreação para as crianças, entre outras ações, totalmente gratuitas para a comunidade local. Além disso, o AGC realiza oficinas preparatórias para o mercado de trabalho, como aulas de informática, inglês, espanhol, corte e costura, segurança do trabalho, secretariado e oficinas de artesanato. Ademais, uma vez por mês há distribuição de sopa e agasalhos aos moradores de rua da cidade de Porto Alegre.

Para Alex, é gratificante estar presente nestes momentos para tentar amenizar um pouco o sofrimento das pessoas. “Sabemos que muitos destes bairros são irregulares e não são atendidos, na sua maioria, pelas ações sociais do governo. Tentamos fazer a nossa parte para tentar ajudar, e, graças a Deus, temos voluntários que se engajam nesta luta com a gente, sem olhar cor, raça ou religião” explica.

O AGC tem realizado um trabalho social incansável, com o objetivo de alcançar o maior número de pessoas nas comunidades carentes. "Temos procurado fazer a nossa parte na luta contra a exclusão social. Com responsabilidade, ao longo dos anos, traçamos metas a serem realizadas, oferecendo cursos de qualificação profissional gratuitos e fechando parcerias com associações de bairro, creches e orfanatos”, afirma o coordenador de eventos.

Ainda de acordo com ele, se cada cidadão realizar a sua parte, mesmo que seja aparentemente pouco, “podemos mudar a cara do nosso bairro, cidade, estado, país e, com certeza, o mundo".  

veja também