A união homoafetiva e a pregação do evangelho

A união homoafetiva e a pregação do evangelho

Atualizado: Quinta-feira, 19 Maio de 2011 as 11:51

A decisão favorável dos ministros do Supremo à união estável entre casais homoafetivos causou desconforto na comunidade evangélica também. Muitas questões têm sido levantadas sobre as consequências de tal decisão. Lideranças evangélicas que militam na área da família têm alertado para desdobramentos nada agradáveis em áreas como criação de filhos e desestruturação de lares. Uns falam em igrejas tendo que admitir pastores e líderes homossexuais em seus quadros. Pastores, professores e pregadores do evangelho temem não poder ao menos mencionar textos bíblicos que discriminam pessoas por sua opção sexual, como p. ex., Romanos 1.18-32 ou mesmo Gênesis 1.27.

Mesmo não sendo da área do direito, entendo que a questão deva se resumir à “discriminação”. E o que é discriminação? Precisamos recorrer ao dicionário, pois a própria decisão do Supremo apoiou-se na letra da Lei. Segundo Houaiss, “discriminação” é distinção, diferenciação. Seguindo essas definições, a pregação do evangelho é discriminatória, pois diferencia e distingue salvos e perdidos, crentes e incrédulos, pecadores e santos. Tem sido assim desde Abel e Caim. Subtrair essa questão das pregações seria abolir o sentido e o significado da mensagem evangélica. mais que isso, seria atar o cristianismo a um conjunto reduzido de normas éticas e temporais em vez de mensagem de esperança eterna.

O evangelho de Jesus diferencia, mas não rejeita – abraça. Assim, a igreja faz diferença, mas não promove o preconceito; é preciso considerar isso. Que sociedade tem maiores índices de recuperação de dependentes químicos? Que sociedade restaura mais lares destruídos? Que sociedade reabilita mais alcoólatras? Que sociedade cria capelanias penitenciárias e hospitalares para cuidar desses grupos? A Igreja, seguindo os passos de Jesus, procura pelo pecador, porque Jesus veio “buscar e salvar o perdido”. Até mesmo homossexuais cansados de sua condição vêm à Igreja em busca de apoio no sentido de mudarem, e certamente o fazem por opção livre ao entenderem corretamente a sua situação diante da proposta e da mensagem cristã.

Mas Houaiss dá mais definições, dentre as quais temos: separação, tratamento injusto. Aqui a questão fica mais séria, já que “separar” pode ser entendido como ato preconceituoso, o que deverá levar à uma ação criminal cabível. O mesmo pode ser dito sobre “tratamento injusto”, o que não é a intenção da igreja nos moldes tradicionais, se considerarmos o que disse acima sobre “separar” e “diferenciar”.

Mas haverá “justiça cega” no Brasil? Justiça cega é aquela que não olha a quem, que não julga pela aparência, mas julga o fato pelo que ele representa à luz da Constituição Federal – que, diga-se de passagem, alguns advogados e entendidos dizem que a decisão do Supremo passou por cima.

Mas sabemos que defender ideologias no Brasil não constitui crime nem preconceito, por tratar-se de um Estado democrático.

A exceção são temas que ferem a memória da humanidade, como anti-semitismo, p. ex. Assim, penso que defender os princípios bíblicos como ser homem ou mulher por Deus ter-nos criado assim, não poderá jamais ser considerado discriminação; do contrário, imperaria a ditadura gay. Os partidos defendem suas ideologias. Prenderíamos os políticos por isso? As torcidas organizadas defendem o seu clube. Prenderíamos os torcedores por isso? Há muitos outros exemplos que poderiam ser citados.

Mas Houaiss disse que discriminação é “separação”, o que faz lembrar as palavras de Jesus em Mateus 25.32,33: “Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes. E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda.” Jesus, vindo ao Brasil, seria condenado novamente. Dessa vez por discriminação, por fazer separação, por dar tratamento injusto a quem tem direito à sua própria opção sexual. Coitadinho de Jesus, novamente discriminado pelos homens. Opa! Discriminado? Não, não podemos discriminar sob pena do peso da lei. Então como fica? Como podemos viver pacificamente se ser gay no Brasil traz agora suas garantias contra os demais, e por outro lado a mensagem que pregamos não pode – igualmente – ser discriminada? Esta parece cada dia mais ser uma questão a ser resolvida no outro mundo, no mundo vindouro, quando estivermos diante do Juiz que não se engana. Do contrário, que processem a Deus, que disse em sua Palavra: “Não se deixem enganar: nem imorais, nem idólatras, nem adúlteros, nem homossexuais passivos ou ativos, nem ladrões, nem avarentos, nem alcoólatras, nem caluniadores, nem trapaceiros herdarão o Reino de Deus.” (1Co 6.9,10, ênfase acrescentada)

Por: Magno Paganelli é pós-graduado em Novo Testamento, editor da Arte Editorial

Via Pulpito Cristão

veja também