Acusados de apoiar candidato cristão sofrem ataques

Acusados de apoiar candidato cristão sofrem ataques

Atualizado: Quarta-feira, 23 Março de 2011 as 2:53

A insegurança permanece alta na Costa do Marfim. Parece que uma guerra civil é iminente após mais de três meses de violência desde que as eleições presidenciais em 28 de novembro levaram a nação à crise. Na capital Abidjan particularmente, o medo de que esta crise leve a uma guerra com foco religioso está crescendo. Cristãos da capital relataram que eles se tornaram vítimas da violência porque eles são acusados de orar por Laurent Gbagbo.

Após as eleições presidenciais a comunidade internacional reconheceu Alassane Ouattara como o vencedor e novo líder da nação do oeste africano. Depois deste reconhecimento, ele recebeu ajuda das Nações Unidas na Costa do Marfim (ONUCI) e de forças da França, Lincorn, que tinham suprido as unidades de Ouattara com armas.

No entanto, Laurent Gbagbo, o presidente de saída, continua rejeitando a validade das eleições e se recusa a entregar o poder.

Os cristãos dizem que imãs islâmicos começaram agora a chamar os muçulmanos fiéis para atacarem os cristãos. Eles são acusados de apoiar o Sr. Gbagbo, que se diz cristão, contra o Sr. Ouattara, um muçulmano, quando eles oram por paz no país.

De acordo com relatos, várias igrejas foram queimadas e cristãos foram molestados ou espancados. Um parceiro de Portas Abertas na Costa do Marfim confirmou que cristãos foram mortos nestes ataques. A ONU relata que mais de 370 pessoas foram mortas nos atos de violência após as eleições.

Fora a perda de vidas, estes ataques deixaram milhares de cristãos sem abrigo. Aproximadamente 40.000 pessoas estão reunidas em igrejas em Abidjan e arredores em circunstâncias de desespero. A falta de hospitais agravou o problema e parece que muitas pessoas estão morrendo diariamente.

Enquanto que as circunstâncias em Abidjan têm forte apelo religioso, as hostilidades que se resumiram entre pro- Gbagbo e forças de Ouattara no oeste do país parece ser puramente política. Parceiros de Portas Abertas disseram que partidários de Ouattara em roupas civis se organizaram em comandos no oeste e estão matando, saqueando e causando destruição lá.

Muitos civis fugiram para a Libéria ou outros lugares.

Portas Abertas está em contato com a igreja local e esperando mais informações sobre a necessidade de auxílio.  

veja também