Amor Radical

Amor Radical

Atualizado: Sexta-feira, 8 Outubro de 2010 as 2:03

O padrão ético estipulado por Jesus, apesar de elevado, ainda permanece como um alvo a ser seguido: eu devo amar a todos. O motivo disso é que, para Deus, o amor é algo que se faz, e não o que se diz ter. Amor é ação, é prática. Não é sentimento. Eu posso cansar de dizer que amo o meu irmão, mas se esse amor não for ativo e resultar em ações claras em prol desse irmão, com certeza isso não é amor. Assim, se amor para Deus é ação e não necessariamente sentimento, eu tenho condições de amar pessoas mesmo que não as conheça, ou até mesmo se elas me tiverem feito algum mal. Se eu esperar sentir algo pelas pessoas para ajudá-las, essa ajuda nunca vai se efetivar. É dessa forma que Deus me manda amar o adversário, aquele colega que me humilhou na sala de aula, aquele patrão que me roubou, aquele cônjuge que me traiu. Deus não me manda sentir coisas boas por todas as pessoas, o que realmente seria impossível, mas impulsiona-me a agir com amor em benefício de cada uma delas.

É verdade, entretanto, que o amor tem muitas facetas, mesmo nos textos bíblicos. Por isso o livro Amor Radical, de Hermes Carvalho Fernandes se revela uma importante ferramenta para compreender a altura, a profundidade e a largura do que Deus deseja dos seus filhos e filhas. Afinal, se a Lei judaica pode ser resumida em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a mim mesmo (Mc 12.30-31), compreender o amor é entender o que significa realmente a vida cristã.

O padrão ético estipulado por Jesus, apesar de elevado, ainda permanece como um alvo a ser seguido: eu devo amar a todos. O motivo disso é que, para Deus, o amor é algo que se faz, e não o que se diz ter. Amor é ação, é prática. Não é sentimento. Eu posso cansar de dizer que amo o meu irmão, mas se esse amor não for ativo e resultar em ações claras em prol desse irmão, com certeza isso não é amor. Assim, se amor para Deus é ação e não necessariamente sentimento, eu tenho condições de amar pessoas mesmo que não as conheça, ou até mesmo se elas me tiverem feito algum mal. Se eu esperar sentir algo pelas pessoas para ajudá-las, essa ajuda nunca vai se efetivar. É dessa forma que Deus me manda amar o adversário, aquele colega que me humilhou na sala de aula, aquele patrão que me roubou, aquele cônjuge que me traiu. Deus não me manda sentir coisas boas por todas as pessoas, o que realmente seria impossível, mas impulsiona-me a agir com amor em benefício de cada uma delas.

É verdade, entretanto, que o amor tem muitas facetas, mesmo nos textos bíblicos. Por isso o livro Amor Radical, de Hermes Carvalho Fernandes se revela uma importante ferramenta para compreender a altura, a profundidade e a largura do que Deus deseja dos seus filhos e filhas. Afinal, se a Lei judaica pode ser resumida em amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a mim mesmo (Mc 12.30-31), compreender o amor é entender o que significa realmente a vida cristã.

veja também