Ano Novo às avessas

Ano Novo às avessas

Atualizado: Quinta-feira, 2 Janeiro de 2014 as 7:24

reveillonEmbora escrito em 1998, o texto de Allinges Lenz César Mafra, "Ano Novo às avessas" (ed. 250 -- jan. 1998), ainda é atual. Infelizmente encaixa-se perfeitamente na nossa realidade. Leia abaixo alguns trechos do artigo: 
 
"Passou o Natal, chegou o Ano Novo... No entanto, desatinada, a violência continua! (...)
 
Estamos cada dia mais solitários, e em nossa solidão, ou monologamos, caindo na exasperação, ou escolhemos o anonimato, o mutismo. (...) Os eternos comentários sobre novela, futebol, jogos e entretenimentos superficiais, improdutivos. (...) 
 
Passou o Natal -- cheio de promessas, presentes e boas intenções... Mas continuamos pensando e agindo do mesmo jeito: o presente mais caro para o mais rico, o mais famoso, aquele que nos renderá mais créditos... E esquecemos que o melhor presente é amor; é troca de amor. (...) 
 
Que amor é diálogo, mesmo insípido, com os velhinhos repetitivos. (...) 
 
Esquecemos que amar é chorar com os que choram, é rir com os que riem, sonhar com os que sonham, ouvir mais as pessoas! 
 
É amar melhor as crianças, conversar mais com elas (...) Pois elas já nasceram com ilusões, mas estão hoje tão desiludidas, tão rebeldes, tão envelhecidas! 
 
Por nossa causa -- nós, os adultos, que só temos reprimendas, castigos impulsivos, indiferença, gritos, queixas, palavras ásperas, mau exemplo (...) Nós que não temos tempo sequer para inventar-lhes um bom programa, sair com elas, propiciar-lhes alegres férias; ou ler-lhes algo interessante, voltando ao meigo tempo dos contadores de história. 
 
Menino Jesus, perdoa a violência, perdoa o egoísmo e o desamor! (...) Inverte este tempo! Dá-nos um outro ano -- às avessas --, sem correrias, sem pressa. 
 
Com silêncio, com amor, muito amor!" 
 
 
- Fernanda Brandão Lobato
 
 

veja também