Após acusações, casos de pedofilia terão mais atenção do Vaticano

Após acusações da ONU, casos de pedofilia terão mais atenção do Vaticano, segundo representante

Atualizado: Terça-feira, 21 Janeiro de 2014 as 3:08

Após acusações, Vaticano assegura dar mais atenção a casos de pedofiliaCom as recentes acusações da ONU sobre casos de pedofilia no Vaticano, o observador permanente da Santa Sé na comissão investigadora em Genebra (Suíça), Silvano Tomasi afirmou que a Organização estará mais atenta à gravidade do assunto e citou a advertência dada pelas Nações Unidas - por não se aliar à Convenção sobre os Direitos da Criança (CRC) - como uma "questão construtiva".
 
"Vamos de muito bom grado aceitar este apontamento como uma questão construtiva, um indicativo importante, para reafirmarmos nossos valores e procedimentos de acordo com a convenção, aceitando qualquer bom conselho que é dado para sermos úteis na proteção das crianças", disse.
 
A Igreja Católica Romana foi questionada sobre a existência de soluções para extinguir o crime - principalmente do cenário vivido pelo clérigo - porém esta respondeu, dizendo que não incentiva negligências e quer estudar a melhor estratégia para penalizar os infratores.
 
Um pacto que será proposto à Igreja está sendo revisado pela ONU. A ideia é concretizar o compromisso de ação do Vaticano com CRC, para proteger menores de 18 anos de idade e "investigar os acusados de cometer abuso sexual", segundo Sara Oviedo, investigadora da CRC.
 
No mês de julho do ano passado (2013), o Papa Francisco emitiu um decreto que visa combater o abuso de crianças e intensificar a luta para eliminar os casos de assédio sexual infantil.
 
Porém, em janeiro deste ano (2014), uma nova medida foi tomada pela Santa Sé. O porta-voz da organização, padre Federico Lombardi publicou uma nota de três páginas sobre o compromisso que o Vaticano está fazendo "de aderir de todo o coração" às medidas passadas pela CRC.
 
"A Santa Sé está profundamente triste com o flagelo do abuso sexual de menores, o que prejudica milhões de crianças no mundo e lamenta o envolvimento de alguns membros do clero em tal abuso", diz a nota.
 
Com informações do Christian Post

veja também