Arqueólogos descobrem retrato de Jesus com características diferentes das ocidentais

Uma pintura foi descoberta nas ruínas de uma antiga igreja israelense e mostra Jesus diferente de como Ele é retratado atualmente.

fonte: Guiame, com informações do Christian Post

Atualizado: Terça-feira, 13 Novembro de 2018 as 5:37

A pintura foi descoberta nas ruínas de Shivta, formalmente na vila agrícola bizantina no deserto de Negev, em Israel. (Foto: Dror Maayan)
A pintura foi descoberta nas ruínas de Shivta, formalmente na vila agrícola bizantina no deserto de Negev, em Israel. (Foto: Dror Maayan)

Uma representação artística recém-descoberta de Jesus nas ruínas de uma antiga igreja israelense retrata Cristo de maneira diferente das concepções ocidentais, com cabelos encaracolados e rosto comprido. A historiadora de arte Emma Maayan-Fanar disse ao Haaretz que a pintura foi descoberta nas ruínas de Shivta, formalmente na vila agrícola bizantina no deserto de Negev, em Israel.

"Seu rosto está bem ali, olhando para nós", disse Maayan-Fanar sobre a pintura encontrada nas ruínas de uma igreja, destinada a retratar o batismo de Jesus. Ela explicou que, ao contrário das percepções ocidentais que frequentemente retratam Jesus com cabelos longos e soltos, a pintura de Shivta retrata Ele com cabelo curto e encaracolado, rosto comprido e nariz comprido.

A data exata da obra de arte ainda não é conhecida, embora acredita-se que Shivta tenha sido fundada em algum momento no Século II.

Outra pintura de Jesus nas ruínas de Shivta, descoberta anteriormente, simboliza a transfiguração, mas não retrata a face Dele. Embora a antiga vila tenha sido descoberta em 1871 e tenha sido objeto de muitos trabalhos arqueológicos, Maayan-Fanar acredita que é a primeira a descobrir que é a imagem de Cristo sob os séculos de sujeira na pintura.

"Eu estava lá no momento certo, no lugar certo com o ângulo direito de luz e, de repente, eu vi os olhos", a historiadora de arte lembrou. "Era o rosto de Jesus no Seu batismo, olhando para nós".

Dror Maayan, seu marido, registrou fotografias do local. A descoberta tem sido comentada como "extremamente rara", dadas as descrições iniciais de Jesus que são praticamente inexistentes em Israel.

A questão de como Jesus realmente se parecia tem sido objeto de debate por historiadores e teólogos. "As representações iniciais de Jesus continua a ser representado atualmente. Elas foram baseadas na imagem de um imperador e influenciadas por apresentações de deuses pagãos”, escreveu um outro historiador chamado Joan E. Taylor na The Irish Times.

“O cabelo comprido e barba são importados especificamente a partir da iconografia do mundo greco-romano. Algumas das mais antigas representações de Jesus o retratam como uma versão mais jovem", finalizou.

veja também