Associação de teólogos cristãos pede renúncia de Bento 16

Associação de teólogos cristãos pede renúncia de Bento 16

Atualizado: Quinta-feira, 22 Abril de 2010 as 12

Associação de teólogos defende a democratização da igreja e que os fieis católicos participem das eleições dos cargos de responsabilidade do Clero.

A Associação de Teólogos João 23 pediu nesta quarta-feira (21), em um manifesto, a renúncia de Bento 16. Segundo o jornal espanhol El País, eles consideram que o papa não tem a idade nem a mentalidade para lidar com os desafios que a Igreja Católica enfrenta.

''Nos parece que o pontificado de Bento 16 está esgotado e que o papa não tem a idade nem a mentalidade para responder adequadamente aos graves e urgentes problemas que a Igreja Católica possui atualmente'', diz o manifesto do grupo, divulgado pelo jornal.

A associação foi criada em 1982 com o objetivo de cultivar o espírito de liberdade e diálogo do Concílio Vaticano 2 e reúne teólogos cristãos. Os membros da associação exigem a saída do papa. ''Pedimos para ele, com o devido respeito à pessoa do papa, que apresente a renúncia de seu cargo''.

De acordo com o manifesto, as propostas são destinadas à transformação evangélica da Igreja Católica e incluem iniciar um processo de democratização da Igreja com a participação de todos os fiéis católicos na eleição dos cargos de responsabilidade dentro do clero.

A associação diz que acredita que a atual organização da Igreja Católica é obsoleta e corresponde mais a uma monarquia absoluta do que a um movimento fundado por Jesus. Além disso, eles mencionam que, desde as origens do Cristianismo e durante vários séculos, a igreja foi organizada e governada com a participação do povo.

Teólogo pede que clero se rebele contra pontificado de Bento 16

No dia 15 deste mês, o teólogo suíço Hans Küng pediu que o clero da Igreja Católica se rebele contra o pontificado de Bento 16, diante dos atuais escândalos de abusos de menores.

A questão da pedofilia ganhou força no fim do ano passado, e desde então, a igreja está sendo abalada com inúmeras queixas de casos de padres que abusaram de crianças.

A situação se agravou nos últimos meses quando suspeitas de encobrimento de casos de pedofilia envolveram o próprio papa.

Segundo o Vaticano, o papa não sabia pessoalmente dos abusos cometidos pelos padres. Bento 16 disse que sente vergonha pelos episódios de pedofilia.

veja também