Ateus querem impedir realização de estudo bíblico com secretários do governo Trump

Um grupo de ateus está alegando que os estudos bíblicos podem ser financiados com dinheiro público.

fonte: Guiame, com informações da CBN News

Atualizado: Quinta-feira, 25 Janeiro de 2018 as 11:46

Ben Carson lidera um grupo de estudo bíblico com outros secretários do governo Trump. (Foto: Reuters)
Ben Carson lidera um grupo de estudo bíblico com outros secretários do governo Trump. (Foto: Reuters)

O estudo bíblico semanal realizado por membros do gabinete do presidente Donald Trump está mais uma vez sob ataque, desta vez de um grupo ateu norte-americano.

A Fundação 'Freedom From Religion' (FFRF) e os 'Cidadãos pela Responsabilidade e Ética em Washington' (CREW) estão processando o Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano (HUD) dos EUA, liderado pelo Secretário Ben Carson.

O grupo emitiu pedidos da Lei de Liberdade de Informação (FOIA) às agências lideradas por secretários do gabinete que participam do estudo bíblico para ver se os recursos do governo estão sendo usados ​​ou se o pessoal da agência se sente "coagido a organizar ou mesmo participar do momento", de acordo com um comunicado de imprensa.

Nenhum membro da equipe atende aos estudos bíblicos, é apenas para secretários do gabinete.

A FFRF e CREW processaram a HUD quando não conseguiram ficar isentos das taxas por seus pedidos à Lei de Liberdade de Informação.

Em julho, foi divulgada a notícia de que vários secretários do gabinete de Trump estão se reunindo semanalmente para estudar a Bíblia e orar juntos.

Desde então, o líder do estudo bíblico, o fundador do Capitólio dos Ministérios, Ralph Drollinger, enfrentou uma tempestade de ataques pessoais - apesar do fato de ter conduzido estudos bíblicos para membros da Casa dos Estados Unidos e do Senado há anos.

A FFRF afirma que está tentando investigar o estudo bíblico "secreto", juntamente com qualquer correspondência entre secretários do gabinete e Drollinger.

Drollinger respondeu no Facebook, dizendo: "Em vez de processar, a FFRF pode simplesmente ir ao site capmin.org e verificar as cópias dos estudos bíblicos que escrevo e ensino ao gabinete, ao Senado e aos membros da Câmara todas as semanas. Não há nada de secreto nisso - e todas as despesas do estudo bíblico são relacionadas e pagas pela organização 'Capitol Ministries' [e não com dinheiro público]".

Entre os secretários do gabinete que participam do estudo bíblico estão o procurador-geral Jeff Sessions, o diretor da CIA, Mike Pompeo, a secretário de Educação, Betsy DeVos, o secretário de Habitação e Urbanismo, Ben Carson, e o secretário de Energia, Rick Perry.

Esses funcionários há muito tempo estão na mira da FFRF. O grupo opôs-se às suas confirmações devido à sua "incapacidade de manter sua religião pessoal separada de seu cargo público".

A organização 'Capitol Ministries' iniciou estudos bíblicos com integrantes dos governos na maioria dos capitais estaduais em todo o território dos EUA.

veja também