Atletas em nome da fé

Atletas em nome da fé

Atualizado: Terça-feira, 14 Abril de 2009 as 12

Braços erguem-se para alto, abraçando o infinito. Os olhos miram o firmamento. E a boca solta um sussurrante "obrigado, Pai". A cena é cada vez mais comum em campos, quadras, ginásios, tatames, pistas, piscinas... Esportistas já não escondem que, além de talento, possuem mutia fé. E reconhecem Aquele que lhes dá uma forcinha. Neste domingo de Páscoa, o jornal O POVO, de Fortaleza (CE) aproveitou o clima de Páscoa para mostrar que os "Atletas de Cristo" estão espalhados por todas as modalidades.

O grupo surgiu em 1978, da iniciativa do então goleiro do Atlético/MG João Leite. A ele logo se juntou o ex-jogador de basquete Abrahão Soares. A ideia era começar um trabalho de testemunho e evangelização entre os atletas. Deu certo. Hoje, os Atletas de Cristo já são mais de sete mil em todo o Brasil, divididos em 120 espalhados em 17 estados.

Segundo o pastor Sandro Fiúza, um dos responsáveis pelo movimento em Fortaleza, "90% dos atletas são jogadores de futebol". Porém, ele não arrisca um número exato de Atletas de Cristo aqui no Estado. "Só sei que nas reuniões aparecem gente do vôlei, basquete e até da vaquejada", lembra o ex-jogador de futsal.

Os Atletas de Cristo não se intitulam uma igreja e muitos menos uma Organização Não Governamental. "Somos um grupo de esportistas que segue a Palavra (de Deus)", esclarece o pastor Sandro. Segundo ele, a religião está para o esporte como um grande suporte. "Dentro do esporte, é possível perceber que o atleta precisa de base para não se desvirtuar", comenta.

Espiritualidade

Armando Bispo é amante do rali desde cedo. Junto com a paixão pela velocidade, a religião sempre teve espaço. E o piloto tem certeza de que a espiritualidade pode traçar caminhos firmes "num ambiente onde a vaidade e a fama repentina desequilibram os mais fragilizados". Segundo ele, a busca pela religião é a forma de encontrar uma "vida que vá além das suas atividades, fama ou conquistas".

O zagueiro do Ceará, Márcio Martins, frequenta as reuniões dos Atletas de Cristo há três anos. "Aprendi a levar tudo de uma maneira melhor. Quando me converti estava sem clube. Foi um momento de provação", diz. "Hoje, sei que tenho algumas coisas porque me converti", completa.

Com fé e talento, os atletas que se entregam a Jesus têm colhido bons resultados. E, independente de vitórias e derrotas, todos parecem seguir à risca uma passagem bíblica assinada pelo apóstolo Paulo, em Coríntios 10:31: "Tudo deve ser feito para a honra e a glória de Deus".

veja também