Atriz da Globo acredita que a Bíblia não condena a homossexualidade

Atriz da Globo acredita que a Bíblia não condena a homossexualidade

Atualizado: Segunda-feira, 15 Agosto de 2011 as 12:50

A atriz global Louise Cardoso afirmou em recente entrevista que acredita que a Bíblia é mal interpretada sobre gays. Em entrevista a O Fuxico, atriz diz acreditar que a Bíblia seja mal interpretada pelos religiosos que condenam os gays, se baseando em preceitos do Livro Sagrado.

“Eu sou meditante e não tenho uma religião definida. Tenho um caminho espiritual e acho péssimo dizerem que a Bíblia é contra os homossexuais. Antes de fazer a novela, eu estudei muito, ouvi vários depoimentos, religiosos e depoimentos terríveis como suicídio pela própria não aceitação em ser gay”.

A reportagem revela ainda que a atriz  estudou a Bíblia e que ela é contra a libertinagem.

“Fiz estudos da Bíblia e vi que é uma interpretação errônea sobre o assunto. Ela fala contra a libertinagem no modo geral e não sobre gays. Mas a libertinagem seja sobre homossexuais ou heterossexuais. Não entendo que ela seja contra. Você conduz a interpretação do modo que quiser e acho que é isso que acontece”.

Ela também defende a criminalização da homofobia, projeto que está em trâmite no Congresso Nacional, e afirma que o preconceito é um atraso da sociedade.

“Acho importantíssimo que a homofobia seja criminalizada, aliás acho que é mais importante que o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Infelizmente ainda não é crime, mas espero que seja logo”.

A atriz lembra que recentemente gravou uma cena em Insensato Coração na qual ela vai à delegacia denunciar um crime de homofobia e não recebe a atenção devida do delegado.

“Na novela eles não querem fazer o BO, ela fala que é porque ele é gay e pobre e é quase presa por desacato! A partir do momento que houver a criminalização da homofobia isso nunca vai acontecer. Todos têm de ter seus direitos. O preconceito é um atraso total. Esta violência contra os gays é a volta às trevas, para a época medieval”, finaliza.     Por Pollyanna Mattos Com informações do Fuxico

veja também