Bancada evangélica critica campanha para prostitutas

Bancada evangélica critica campanha para prostitutas

Atualizado: Quarta-feira, 5 Junho de 2013 as 12:06

Com foco na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, o Ministério da Saúde lançou uma campanha voltada às prostitutas.
 
Um cartaz anuncia que 2 de junho é o Dia Internacional das Prostitutas e diz "Eu sou feliz sendo prostituta".
 
campanha prostituta
 
Deputados da bancada evangélica dispararam ataques à presidente Dilma Rousseff e cobraram esclarecimentos sobre a campanha.
 
Alexandre Padilha, ministro da saúde, recuou ontem (4), dizendo que a campanha ainda precisa de aprovação. 
 
"O que o governo faz é um crime, é apologia à prostituição. O governo está patrocinando um crime ao defender essa conduta", disse o deputado Marcos Rogério (PDT-RO).
 
A deputada Liliam Sá (PSD-RJ) disse que a campanha representa um "desfavor à sociedade". "O que é isso? Ninguém é feliz sendo explorada sexualmente", afirmou.
 
Para o deputado João Campos (PSDB-GO), a campanha é mais uma prova que o governo Dilma Rousseff não cumpre promessas de campanha. "É uma campanha discriminatória. Esse é um governo que não preza pelos valores da família".
 
Irônico, Campos disse que já pode visualizar as próximas campanhas publicitárias do ministério. "Eu já vejo: Sou adultero, sou feliz. Ou incestuoso, siga-me. Ou sou pedófilo, sou feliz, sou realizado", completou.
 
Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos, disse ser a favor de pedir explicações sobre essa "famigerada campanha".
 
 
com informações da Folha de S. Paulo
 

veja também