Bancada evangélica se posiciona contra alterações no código penal

Bancada evangélica se posiciona contra alterações no código penal

Atualizado: Quinta-feira, 9 Janeiro de 2014 as 8:34

Bancada evangélica se posiciona contra alterações no código penalApós conseguir conter a aprovação do PL 122, representantes da bancada evangélica (deputados e senadores) estão lutando para barrar mais algumas das propostas de alteração no Código Penal Brasileiro. Entre elas estão a legalização do aborto, a diminuição da idade máxima para tipificação da pedofilia e outras.
 
As propostas estão em tramitação no senado e, se aprovadas no primeiro semestre de 2014, seguirão para a Câmara dos Deputados. Segundo representantes da bancada, todos os temas que podem prejudicar os cristãos de alguma forma estão sendo discutidos no contexto do Projeto de Lei do Senado 236/2012.
 
O relatório do senador Pedro Taques (PDT-MT) sobre o aborto acatou os argumentos dos parlamentares cristãos e  relacionado ao aborto e retirou do texto a possibilidade de aborto nas 12 primeiras semanas em razão da incapacidade psicológica da gestante de arcar com a gravidez. Porém segundo o deputado Marcos Rogério (PDT-RO), ainda é preciso estar atento.
 
"Em relação ao aborto, o relatório aprovado, do senador Pedro Taques, já atendeu à bancada evangélica. No entanto, enquanto o texto não for aprovado em plenário, alguém pode destacar e mudar tudo. É por isso que estamos vigilantes, comentou.
 
A estratégia a ser montada neste ano pelos evangélicos terá o objetivo de não deixar que a proposta cujo texto inicial foi elaborado por uma comissão de juristas avance.
 
A legislação penal data de 1940 e sua reforma, na opinião dos evangélicos, poderá abrir caminho, entre outros pontos, para a legitimação da pedofilia. Além disso, eles querem evitar o que chamam de privilégios para homossexuais, a flexibilização da legislação sobre aborto, a legalização da eutanásia, além da descriminalização do consumo de determinadas drogas.
 
Contra a pedofilia
Conhecido por seu combate ferrenho contra a pedofilia em todo o país, o senador Magno Malta (PR-ES) também mostrou preocupação sobre as alterações no Código Penal Brasileiro.
 
"Estamos de olho no projeto de reforma do Código Penal e nos atentados à família que estão contidos na proposta. Está tudo lá e nós vamos trabalhar para que nada mude. Queremos que tudo fique como está. Isso não coisa só de evangélico não, como se fossem só os evangélicos contra o resto do mundo. Tem católico, tem pessoas de várias religiões. Nossa atuação é em favor da família", disse.
 
Magno Malta também destacou a possibilidade de "legalização" da pedofilia no Brasil. Segundo ele, abaixar a idade máxima que tipifica o crime implica na aceitação do ato pelo código penal.
 
"A parte acusada de legalizar a pedofilia, de acordo com o deputado Marcos Rogério, é a que diminui de 14 para 12 anos a idade máxima para tipificação de violência sexual contra vulneráveis. Isso significa legalizar a pedofilia no Brasil, disse o deputado.
 
Com informações de Odiario.com

veja também