Bispo Júlio Freitas revela 5 segredos para um casamento feliz

Bispo Júlio Freitas revela 5 segredos para um casamento feliz

Atualizado: Segunda-feira, 7 Fevereiro de 2011 as 9:53

Casei aos 19 anos e este ano completo o mesmo número de anos de casado. O que tenho aprendido na vida a dois? Deixo-vos aqui as minhas considerações baseadas na minha experiência, porém, para quem é muito fantasista não espere que seja um conto de fadas, porque as fadas não existem. Mas tendo sido esta a terceira melhor decisão que tomei na vida, superada apenas pela minha entrega a Cristo e depois à entrega a Sua Obra, revelo aqui os segredos que me conduziram à felicidade e realização no meu casamento:

1º Expectativas reais Existe um equívoco que persiste, ainda nos dias de hoje, tanto da parte dos homens como das mulheres. Eles pensam que elas procuram um príncipe e elas acreditam que eles procuram a “mulher perfeita”. Embora ambas as partes se desunhem para fazer estes mitos caírem por terra, a realidade é que eles não são tão irreais assim. Todos nós procuramos um ser humano com roupagem de “príncipe” ou de “cinderela”. Queremos a perfeição que complemente a imperfeição que somos e o que acontece é termos um vislumbre dessa “perfeição” no namoro, quando estamos conhecendo um ao outro. Mas, no namoro, o que temos, são apenas as melhores qualidades à mostra, pois a verdadeira pessoa só vamos conhecer quando nos casamos. Por isso, tenha expectativas razoáveis em relação ao outro para que, desta forma, encontre o equilíbrio e possa desfrutar de todas as coisas boas que um relacionamento proporciona. Penso que o mais importante não é encontrar a pessoa certa e, sim, ser a pessoa certa!

2º Projetos e parcerias Quando unimos a nossa vida a da outra pessoa, passamos a ser “2 em 1”, por isso faz todo o sentido o casal ter projetos comuns. E isto aplica-se a tudo. Enquanto solteiros ambos tinham projetos de vida diferentes, mas quando se casam, os planos devem ser em comum acordo, pois quando isso não acontece, muitas relações tendem a terminar. Por isso, em tudo o que projetar na vida inclua a sua cara-metade, pois se o casal tiver interesse ou até praticar atividades em comum, como por exemplo fazer exercício ou dançar, ambos continuarão a aprender um com o outro e manterão a relação sempre rejuvenescida. Pois, quem aprende cresce e quem compartilha multiplica-se!

3º Dar espaço ao outro Talvez você ache este terceiro segredo uma incongruência, tendo em conta o anterior, mas a realidade é que, para o bem da sua relação, nem tudo deve ser feito a dois. É importante que você proporcione a seu parceiro (a) um espaço de independência. São as saudades que nos fazem sentir a falta do outro, desejar tê-lo por perto e por isso também é importante saber dar espaço ao companheiro (a). São estes momentos que serão também uma mais-valia para a sua relação, pois acrescentarão não só na partilha, como também na harmonia sentida.  Isso porque no espaço que cedemos a nossa companheira, permite que desenvolva nela a autoconfiança.

4º Equacionar vantagens e desvantagens Numa entrega incondicional mútua, para que uma relação seja proveitosamente feliz entre duas pessoas terá sempre de existir cinco vantagens e uma desvantagem. Sendo assim, após analisar a sua relação afetiva, convém que os aspectos positivos superem os negativos. Porém, se tem por hábito revelar e apontar mais coisas negativas a sua esposa ou ao seu esposo do que positivas, é necessário uma conversa franca entre os dois, para avaliarem o que está errado no vosso relacionamento e como poderão resolver essas questões. Acredito que quando se aponta as muitas falhas ou erros da nossa esposa ou esposo, estamos, na verdade, a tentar justificar ou cobrir os nossos próprios erros.

5º Orgulhar-se das conquistas Conte as bênçãos. Os momentos bons, as muitas dificuldades superadas e os objetivos alcançados. A minha primeira descoberta na vida “2 em 1” foi: “Estou sendo conhecido de dentro para fora e sendo aceito!” – Creio que isto deve ser um motivo de orgulho, você não acha?  Pois, quando o casal já não ri em conjunto é porque não quis sacrificar em conjunto.

Por: Bispo Júlio Freitas

veja também