Blog diz que Datena se parece com Silas Malafaia dos católicos

Blog diz que Datena se parece com Silas Malafaia dos católicos

Atualizado: Sexta-feira, 19 Agosto de 2011 as 10:20

Em seu blog de notícias, Paulo Lopes comentou a participação de Luis Datena no programa da Hebe Camargo na RedeTV. No post o blogueira diz que Datena está cada dia mais parecido com o pastor Silas Malafaia. Confira o texto na íntegra:   O apresentador da Band José Luiz Datena (foto) deu uma entrevista na terça-feira (16) ao programa da Hebe Camargo, na Rede TV!, na qual informou estar em uma missão divina. Disse que o jornalismo que faz parece ser sensacionalista, mas não é. “A minha missão que Deus me deu é esta: é falar, gritar, contestar”. Com essa declaração, Datena fica mais parecido com o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Ainda que professem religiões diferentes, ambos exercitam a estridência em nome de Deus. Há outras semelhanças, além da retórica do grito. Eles são tidos como homofóbicos, por exemplo. Luiz Datena é católico fanático, e ele realmente acredita ser um soldado de Jesus. Em seu antebraço esquerdo há uma enorme tatuagem com o nome de Cristo e em seu camarim costuma ter imagens de santos. Reza antes de entrar no ar. A tatuagem, as imagens e as rezas são, obviamente, de fórum íntimo -- ninguém tem nada a ver com isso. Mas o problema é quando o fanatismo religioso se extrapola para a esfera pública. Um problema que se potencializa nesse caso porque os dois são comunicadores de TVs, de um veículo que atinge muitas pessoas. Quanto a Datena, o caso é mais grave porque, em seu programa, não fica explícita a sua missão divina. Ele se coloca como profissional de jornalismo. Ao criticar ateus e homossexuais, fala como homem religioso, mas isso não fica claro. Malafaia ao menos não engana ninguém. Fica explícito em nome de quem fala. Ele se apresenta como pregador e o é de fato. Com Datena é diferente. O tempo todo faz proselitismo religioso como se fosse jornalismo. Ele deveria sair de vez do armário e se declarar um pregador católico, dizer que seu programa é religioso. Seria mais digno e honesto.     Por Pollyanna Mattos Com informações do Paulo Lopes Weblog

veja também