Cantores e convidados falam do tema "Marchando sobre as Águas"

Cantores e convidados falam do tema "Marchando sobre as Águas"

Atualizado: Sexta-feira, 4 Junho de 2010 as 3:13

A 18ª edição da Marcha para Jesus aconteceu na última quinta-feira, 3 de junho, na cidade de São Paulo. Com mais de 30 atrações musicais, o evento começou às 10hs, com a caminhada da estação Tiradentes até a Praça da FEB, e estendeu-se até as 21hs com shows.

O título do evento deste ano foi "Marchando sobre as Águas". Em entrevista ao GUIA-ME, alguns dos cantores e convidados, falaram da importância desse tema para a cidade de São Paulo e o Corpo de Cristo.

Confira alguns dos depoimentos

Toque no Altar - Viver o sobrenatural e o impossível. Quando Moisés estava sendo perseguido por Faraó, se deparou com as águas. Olhava pra trás, Faraó estava perseguindo, olhava pro mar e não tinha para onde ir.  E se o mar não se abrisse? Tinha que acreditar que se o mar não se abrisse, Deus é poderoso pra fazer com que ele tivesse caminhado sobre as águas. Pedro andou sobre as águas, mas afundou. Afundou porque olhou para ele e não para Deus. Quando olhamos pra dentro de nós, não achamos recursos para andar sobre as águas, mas quando olhamos para o alto, para Deus, Ele nos faz viver o sobrenatural.

FLG - O tema surgiu de uma passagem bíblica e eu acho que nós, evangélicos, temos que viver esses milagres e acreditar naquelas  situações que olhamos e pensamos que não vamos conseguir, mas conseguimos. E isso aconteceu com Pedro, enquanto Ele confiou, andou sobre as águas, quando desconfiou um pouquinho, ele afundou. Temos que estar sempre acreditando. Não posso acreditar pela metade e nem acreditar por um mês. Cristão deve ser cristão sempre e acreditar sempre que marcharemos sobre as águas até aonde Deus quiser.

Pr. Marco Feliciano - Água, na Bíblia, tem um milhão de significados. Ela fala de coisas boas, mas na maioria das vezes, misturada a turbulências, fala de coisas ruins. O tema 'Marchando sobre as águas' é um tapa na cara do diabo, pois estamos tentando recuperar aquilo que foi roubado. A Marcha tem um tom profético. É um ano de mudanças no país, os governantes vão ser trocados e o Estado de São Paulo precisa ser muito bem representado. Acredito que foi com essa visão apostólica que a organização do evento fez a Marcha. Tem meu aval, tem meu apreço.

Bispo Gê  - Aqui em SP as águas não são brincadeira [risos]. É um ato profético, no sentido de vencer o impossível e andar acima daquilo que são nossas limitações... a própria condição política, cuidar um pouco mais da nossa cidade, acho que tudo isso é importante

Juliano Son, Livres para Adorar - O Senhor vai dizer que é na unidade e na comunhão, quando há a expressão do amor, que Ele ordena a bênção e a vida. Se o povo que se chama pelo nome Dele se unir e clamar para que o Senhor venha, então é o momento propício para que Ele venha abençoar a São Paulo e as outras cidades.

Por Juliana Simioni

veja também