Carateca multicampeão aceita a Cristo

Carateca multicampeão aceita a Cristo

Atualizado: Terça-feira, 21 Setembro de 2010 as 10:38

O título nos últimos Jogos Abertos de Santa Catarina, realizado neste mês em Brusque, foi o último conquistado pelo carateca Paulo Vitor Cipriani, 22 anos. Depois de ser vice-campeão brasileiro, oito vezes campeão estadual e de colecionar 250 medalhas e oito troféus, ele decidiu abandonar o tatame e investir em um novo e grande desafio: conhecer e receber o amor de Jesus Cristo. "Fiz uma troca, que no começo foi difícil. Mas estando do lado Dele, vou estar muito melhor", garante o novo membro da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Joinville.

  Paulo adotou o caratê desde os seis anos de idade, por influência do pai, também lutador. Chegou a treinar seis horas por dia, até receber a faixa preta, aos 14 anos. Prematuro, logo cedo começou a ganhar medalhas e troféus pelo bom desempenho nas lutas. Tanto esforço e disciplina o levaram a ser um dos atletas da categoria de até 65 kg mais respeitados em Santa Catarina. Foi convocado para a seleção brasileira da modalidade e era figura certa nas seleções de Joinville nas competições dos jogos abertos. "Cheguei a ganhar mais dinheiro com o esporte do que com meu trabalho normal, na empresa", conta.

Mas há cinco anos sua vida começou a mudar. Conheceu Sara, adventista, que, aos poucos, mostrou o amor de Deus a Paulo. "Comecei a freqüentar a igreja. Ia aos cultos, participava das atividades, mas continuava com o caratê", reconhece. O que ele ganhava como lutador ainda era mais forte do que a decisão que sabia que iria tomar um dia. Além de Sara - hoje sua noiva - Paulo teve muito incentivo da irmã, também da igreja. "Neste ano, decidi ser batizado e largar de vez as lutas. Terei em Deus o meu maior incentivo a partir de agora", explica.

De família fiel em outra religião, Paulo chegou a temer uma rejeição dos pais diante de sua decisão. Mas ocorreu o contrário. Até o pai carateca apoiou o filho. "Foi surpreendente. E pode ter certeza que ainda vou trazer eles (os pais) para a igreja", projeta. Operador de máquinas em uma multinacional fabricante de eletrodomésticos, Paulo agora quer ter uma nova vida. Pretende casar com Sara no ano que vem e participar ativamente dos programas da igreja. Participante do curso de recepção ele agora poderá ser visto a cada sábado na porta de Igreja Central de Joinville em sua nova e nobre luta: a de testemunhar o amor misericordioso de Cristo.  

veja também