Carlos Alberto Bezerra ministra no "Pastoreio de Famílias" sobre a "Falta de referência familiar"

Carlos Alberto Bezerra ministra no "Pastoreio de Famílias" sobre a "Falta de referência familiar"

Atualizado: Terça-feira, 18 Novembro de 2008 as 12

Por Adriana Amorim

O congresso "Pastoreio de Famílias", que aconteceu entre os dias 13 e 15 de novembro, em Santos (SP), trouxe temas que levaram os presentes à reflexão do conceito de família e do propósito divino para o lar. A "Falta de referência familiar" foi tema de ministração do pastor Carlos Alberto Bezerra, que falou sobre o papel da Igreja em cumprir o desejo de Deus para a família.

Durante a ministração, Bezerra evidenciou que a idéia de família só tem sentido quando se compreende que ela existe para cumprir um projeto: "Deus nos predestinou para sermos feitos a semelhança do seu filho Jesus". Nesse sentido, o papel da igreja está descrito em Malaquias 2:15: "E não fez ele somente um, ainda que lhe sobrava o espírito? E por que somente um? Ele buscava uma descendência para Deus. Portanto guardai-vos em vosso espírito, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade". O casamento significa, portanto, um compromisso com Deus.

O pastor pediu aos participantes do congresso que repetissem por duas vezes a finalidade da família de Deus: "Frutificai, enchei a terra e governai-a". Ele contou um breve testemunho sobre sua família. Bezerra tem três filhos naturais, três "sobrenaturais", como chama os adotivos, e mais um "filho-irmão", adoção de seus pais que já faleceram. "A função dos pais é criar filhos semelhantes ao filho de Deus, Jesus", completou.

Em entrevista ao portal Guia-me, Bezerra afirmou que os referenciais para uma família estruturada são os que constam na palavra de Deus, distantes do pensamento humano ou da idéia que o homem pode criar a respeito de família: "Os referenciais são famílias que serviram a Deus com fidelidade, com amor, mesmo contando com suas imperfeições. O referencial é sempre a palavra de Deus [...] o nosso referencial é tão limitado, tão finito. Deus tem a sua família que se expressa nas escrituras de várias formas, por meio de atitudes de santidade, de justiça, amor, unidade, comunhão...".

O pastor entende também que, por causa do pecado, o homem tornou-se escravo da injustiça e os papéis dentro da família estão confusos ou indefinidos. "O incentivo ao divórcio, à separação e à procriação sem responsabilidade tem gerado exatamente isso: as pessoas não sabem para que existem, o que estão fazendo lá. O marido não sabe qual é a sua função, de responsável pela sua liderança familiar. A esposa, por sua vez, não sabe qual é o seu projeto dentro da cooperação. Então, um deles assume ditatorialmente o relacionamento e faz do outro um vassalo ou mesmo inverte posições, tomando a sua independência e agindo de acordo com seu modelo próprio de família. O resultado é essa confusão generalizada, marcada pelo pecado e pela morte".

Ele esclareceu ainda o que significa a submissão feminina, descrita na bíblia, afirmando que ela não pode ser compreendida como subserviência: "A submissão é altamente significativa, é estar debaixo de autoridade, submisso a Cristo. Cristo está submisso a Deus, o homem está submisso a Cristo e a mulher está submissa ao marido. Em que sentido? No sentido de responsabilidade, como ajudadora e cooperadora. Ela não é menor e nem maior, ela tem responsabilidades diferentes. Passa a ser responsável pela edificação do lar. 'A mulher sábia edifica o seu lar, a mulher tola destrói com suas mãos' [...] E qual a mulher que não se submete ao marido que a ama? Então quando Paulo fala sobre a submissão da mulher, ele diz assim: 'Maridos, amai vossas mulheres'. Não diz: Mulheres, amai vossos maridos [...] Assim, a gente está debaixo da cobertura espiritual do Senhor e da sua Palavra".

Bezerra reconhece que o modelo atual familiar "distanciou-se tristemente" do propósito divino, mas tem uma atitude positiva sobre a família, carregada de fé: "Em Jesus é possível fazê-la voltar ao projeto eterno, porque é Jesus que nos capacita a viver estes princípios".

veja também