CCJ da Câmara aprova criação do Dia Nacional do Evangélico

CCJ da Câmara aprova criação do Dia Nacional do Evangélico

Atualizado: Quinta-feira, 27 Agosto de 2009 as 12

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara aprovou nesta quarta-feira, 26, a criação do Dia Nacional do Evangélico, a ser comemorado em 30 de novembro de cada ano. A proposta não determina que a data seja feriado. No entanto, essa postura já é adotada pelo Amapá e pelo Distrito Federal.

Aprovada em caráter terminativo (sem a necessidade de ir a plenário), a proposta seguirá para a análise do Senado. De autoria do deputado Cleber Verde (PRB-MA), o Projeto de Lei 3541/08 destaca o substancial crescimento dos evangélicos no país.

"De acordo com pesquisas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os evangélicos representam hoje 20,3% da população brasileira. Esse percentual corresponde a mais de 34 milhões de pessoas", argumenta o parlamentar maranhense.

"Ao contrário do que acontece com os católicos brasileiros, cuja maior parte nasce dentro da religião mas na maioria dos casos não a segue completamente, os evangélicos levam a prática da fé a sério. Para começar, muitos evangélicos são convertidos – ou seja, escolheram aderir a uma religião por conta própria. Por isso, tendem a se tornar militantes da causa, envolvendo-se nos cultos e nas atividades comunitárias desenvolvidas em torno dos templos que freqüentam", justifica o deputado no projeto.

Acordo Brasil-Vaticano

Pronto para ser analisado no plenário da Câmara, um acordo entre Brasil e Vaticano encontra resistência de deputados evangélicos, que veem a concessão de privilégios do governo brasileiro à Santa Sé e articulam mudanças na matéria.

Para o deputado João Campos (PSDB-GO), presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o décimo primeiro artigo do acordo é uma forma de privilegiar a Igreja Católica na disseminação de conteúdo religioso a estudantes. Outro artigo, o 18, representa para o tucano a exclusão do Congresso de qualquer posicionamento sobre alterações futuras nas relações entre Brasil e Vaticano.

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também