Celebração do projeto Minha Esperança Brasil: "em cada dígito, uma pessoa eterna"

Celebração do projeto Minha Esperança Brasil: "em cada dígito, uma pessoa eterna"

Atualizado: Quarta-feira, 21 Janeiro de 2009 as 12

por Adriana Amorim O culto de celebração da colheita do projeto Minha Esperança Brasil foi definido por Willian Conard, vice-presidente de ministérios internacionais da Associação Evangelística Billy Graham- AEBG, como um momento "agridoce": "Doce porque estamos regozijando, mas amargo porque é a última vez que vamos nos reunir como aqui". A reunião, realizada na última sexta-feira, dia 16 de janeiro, no hotel Panamby, em Guarulhos (SP), atraiu coordenadores de todos os estados brasileiros envolvidos com o projeto, além da diretoria da Associação Billy Graham.

O projeto liderado pela Associação Billy Graham treinou líderes e igrejas para três noites de evangelismo. Nos dias 6, 7 e 8 de novembro de 2008, a programação que iniciava às 21 horas na Rede Bandeirantes de televisão e também veiculada pelo Portal Guia-me , foi assistida por brasileiros em suas casas ou em lares "Mateus", preparados pelo Minha Esperança, para receber convidados a aceitarem a Cristo.

Para celebrar a colheita, a noite contou com ministrações; testemunhos de cura e libertação; e louvores clássicos como: "Castelo Forte", de Martinho Lutero; "De todas as tribos", de Guilherme Kerr; "Ele é exaltado", conhecido na voz de Adhemar de Campos. Além de um jantar e um vídeo que trouxe a narrativa de um "Mateus" no Amazonas. A celebração apresentou números que expressaram o resultado da dedicação da equipe envolvida no projeto, a preocupação em ganhar almas para o Senhor. O que Willian Conard viu como: "em cada dígito, uma pessoa eterna".

Números que representam almas Apresentados por Greg  Matthews, diretor para a América Latina da AEBG, os números evidenciaram o resultado de um trabalho realizado com foco em salvação. De acordo com a Associação, até a data da celebração, e segundo os dados encaminhados por mais de 30 mil igrejas, 245.785 pessoas tomaram a decisão por Jesus Cristo, destas 184.771 aceitaram Jesus como Salvador de suas vidas e 61.014 pessoas retornaram à Casa do Pai e reconciliaram-se com o Senhor.

Hans Mannegren, diretor mundial da AEBG, agradeceu: "Recebemos o fruto. Obrigado pelo Brasil, Senhor".

Mattheus agradeceu aos coordenadores pelo trabalho e orou: "Encha cada um com seu Espírito, Senhor, e também cada pessoa que aceitou a Cristo, que o Senhor também os encha com seu Espírito. E que de verdade haja muito mais fruto do que a gente viu até agora".

Minha Esperança no Brasil "Eu continuo dizendo: É o maior projeto evangelístico da igreja brasileira, de todos os tempos", falou Geremias do Couto, coordenador nacional do Minha Esperança.   Para ele , os maiores desafios do programa evangelístico foram a extensão territorial do país, a complexidade denominacional e a diversidade cultural. No entanto, houve receptividade das igrejas em realizar o trabalho: "Percebemos que havia uma disposição muito grande da igreja em aliar-se e envolver-se no projeto". O Minha Esperança, que durou 18 meses, envolveu 80% das denominações brasileiras. "Mobilizar, envolver, conseguir montar uma rede com essa capilaridade toda, treinar, preparar, passar a visão, realmente foi um  trabalho desafiante, mas ao mesmo tempo nos entusiasmou, nos contagiou com bastante otimismo, porque a gente viu a disposição da igreja em receber o projeto", afirmou o coordenador.

O mesmo entusiasmo foi notado por Willian Conard, vice-presidente de ministérios internacionais da Associação Evangelística Billy Graham: "O Brasil tem um fervor evangelístico que é incrível, o crescimento da igreja brasileira nos últimos 25 ou 30 anos tem sido fantástico e todo mundo tem notado isso. Quando eu estive com um pregador português, ele falava: 'Oxalá tenhamos aqui em Portugal o mesmo espírito que no Brasil, porque todos admiram-se com a obra de Deus aqui". Para Conard, a personalidade dos brasileiros facilita a comunicação do Evangelho. No entanto, depois de um momento de alegria pela contabilização das almas, é necessário discipulá-las: "A discipplina é muito importante, a euforia também é importante, mas depois vem a disciplina, o conhecimento". Conard também trouxe a mensagem da noite e comparou os evangelistas a maratonistas, que devem dedicar-se à salvação de almas, correndo ainda mais nos últimos dias. Citou o texto de 2 Tm 4:6-8, no qual o apóstolo Paulo afirma ter ".combatido o bom combate e encerrado a carreira". Mas o pregador deixou uma mensagem aos líderes presentes: "O bom pastor dá a vida pelas ovelhas" João 10:11. "É necessário discipular os novos. Voltamos ao começo da carreira". Ele brincou: "Os números que temos aqui são reais, não são 'evangelásticos'. Poderíamos encher seis 'Maracanãs' e se fosse somente de pentecostais, encheríamos um Maracanã e 20 mil pessoas ficariam lá fora por não poderem entrar". A resposta veio em um alto "Oh, glória!" e muitos "Aleluia!".

O Billy Graham do Maranhão A noite teve muitos testemunhos, cada coordenador pode contar brevemente alguma experiência própria ou nos lares "Mateus". Vitórias que eram comemoradas por pentecostais "assembleianos" e igrejas independentes, "presbiterianos" e "batistas". Conversões de líderes de outras religiões, traficantes em presídios, criminosos violentos de joelhos aos pés do Senhor, conversões de filhos pródigos.

Entre os relatos, estava o de José Dilmar, maranhense coordenador da COMADESMA - Convenção dos Ministros das Igrejas Evangélicas Assembléia de Deus do Seta no Sul do Maranhão . Dilmar contou que há 20 anos, no início de sua conversão, ouviu falar em Billy Graham como o maior evangelista do mundo. Desde então, alimentava o sonho de um dia trabalhar em algo que envolvesse o nome de Graham. "Antes que eu morresse eu queria que meu nome tivesse alguma coisa com o de Billy Graham", brincou, e foi correspondido por muitas risadas. Ele contou que desde que foi selecionado como coordenador, o que renovou seu ministério missionário, sentiu-se motivado a realizar o projeto: "Fazer o trabalho independente de qualquer obstáculo, qualquer despesa, qualquer sofrimento. Aí entrei com tudo, eu fazia reuniões nos núcleos que representam nossas convenções, atingi 627 igrejas. As pessoas diziam, 'mas você defende o Minha Esperança, parece mesmo o próprio Billy Graham'". Em cinco meses, Dilmar estava conhecido como o Billy Graham do Maranhhão.

A voz de Billy Graham Quem assistiu a primeira noite do Minha Esperança Brasil,  pôde ouvir a "voz brasileira" de Billy Graham. O dublador, responsável por ela, é o jornalista Fausto Rocha, que esteve no "Culto de Celebração". Rocha falou sobre o difícil trabalho da associação em investir e planejar do de projeto no Brasil. E então, uma voz masculina gritou: "Fausto, fala Jesus te ama!". E Rocha respondeu ao apelo em voz grave e pausada, para a alegria dos presentes.

O jornalista, que já trabalhou em emissoras como TV Tupi, Rede Excelsior, Rede Cultura, Band, confessou ter sentido uma grande emoção ao receber o convite para fazer a dublagem de Billy Graham: "Tive uma emoção enorme, inclusive durante a própria gravação, porque a mensagem era cristocêntrica, direta, forte. Ela falava em pecado, perdão, graça, arrependimento, vida nova em Jesus".

Ao falar sobre a escolha da associação por sua voz, expôs: "Nós temos por exemplo o Neco, pastor Manoel Simões, uma voz maravilhosa, o intérprete de Jimmy Swaggart. Eu o considero o melhor dublador, mas eu também tive uma chancezinha, talvez pela idade, 70 anos, a tonalidade da voz esteja mais próxima a de Billly Graham".

Os frutos que irão nascer Em entrevista ao Portal Guia-me , Greg Matthews, diretor para a América Latina da AEBG, revelou que trabalhar com a igreja brasileira trouxe a ele satisfação: "Quando eu penso na igreja brasileira eu penso em gozo, em louvor, e eu penso sobre corações que são sinceramente dedicados ao Senhor. Eu acho que quando uma pessoa recebe salvação de Cristo no Brasil, ela pode entrar em uma comunidade muito receptiva, a igreja brasileira. Eu chamaria de família e este tipo de espírito que nós desfrutamos muito ao trabalhar com os brasileiros".

No entanto, ao comentar os números, o diretor contou aos líderes presentes que ficou decepcionado ao abrir um dos envelopes enviados por uma igreja. Nele, dentre 20 pessoas convidadas para assistir às ministrações do Minha Esperança, nenhuma delas havia recebido o Senhor como salvador ou reconciliado-se com Ele. Foi então que o Senhor falou ao diretor: "Greg, você acha que nenhuma delas respondeu, mas muitas outras vão frutificar depois". Matthews citou a parábola bíblica do semeador, em que apenas uma semente cai em boa terra e dá fruto, e exemplificou com Coríntios 3:6-7: "Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento. Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento".

"E muitos frutos virão ainda [...] O Minha Esperança não pode acabar aqui", concluiu Mathews com entusiasmo.

Fotos: Getúlio Camargo

veja também