Como deve ser o Ministério de Aconselhamento

Como deve ser o Ministério de Aconselhamento

Atualizado: Sexta-feira, 30 Setembro de 2011 as 2:44

Características pertinentes a um conselheiro:

•Amor incondicional

•Conhecimento bíblico

•Prática da oração (dependência de Deus)

•Testemunho (ser exemplo)

•Imparcialidade (Rm 12:21)

•Isenção

•Sabedoria que vem de Deus

•Auto controle

•Humildade

•Saber ouvir

•Discrição (sigilo total)

Para um êxito no ministério de aconselhamento, é necessário que o conselheiro esteja em alinhamento com a vontade de Deus, pois seu papel é de levar o aconselhado tão somente aos pés de Jesus, fazendo-o discípulo do Mestre e não de si.

É de extrema importância que o conselheiro esteja atendo para perceber qual melhor hora de se falar, caso contrário pode por o aconselhamento por "água abaixo".

LEI DO NUNCA

•NUNCA ser portador de notícias como, por exemplo, adultério, você pode ser chamado de mentiroso e perder a credibilidade com a família em questão.

•NUNCA o conselheiro deve tomar a decisão pela pessoa, o correto é expor o conselho mediante a palavra de Deus e deixar que ela decida.

•NUNCA dizer: "Me liga, eu te ajudo". Uma vida de lamaçal demora a ser transformada. Devo então dizer: "Se precisar de ajuda, ore ao Senhor, estarei orando por você também", porque pode acontecer de desenvolver dependência emocional.

Importante:

"AUTORIDADE ESPIRITUAL VEM COM TESTEMUNHO DE VIDA!"

POSTURA E ATITUDES DO CONSELHEIRO

Por Moses

1- Determinar os alvos do aconselhamento (quantas semanas ou meses, quantas vezes por semana, o tempo de cada encontro etc);

2- Instilar uma esperança real. O perdão de Deus é uma realidade, mas há que se lutar contra os antigos  hábitos  e  as  tentações  (1 Co 10.13 - 1 Pe 1.14 e 15 – Fp 4.6 a 9 – Rm 12.1 e 2);

3- Transmitir conhecimento da questão (ler muito sobre o assunto – Pv 4.7);

4- Ser leal e saber guardar confidências. Só nos casos em que outros estão correndo riscos de integridade física, moral e espiritual é que alguns segredos podem ser compartilhados e isso não deve ser feito sem que o aconselhando saiba;

5- Proteger o aconselhando de constrangimentos. Há crentes que usam a desculpa do "é só para eu orar mais especificamente" para contar o que ouviram para outras pessoas, sem pensar nas conseqüências para o indivíduo que está precisando de ajuda;

6- Sempre falar a verdade, mas não somente falar a verdade: saber falar a verdade no momento certo e da maneira certa, mesmo quando houver dor (Pv 27.5 e 6). Na década de 1990 foram vendidas 25 milhões de caixas de Prozac. Alguns psicanalistas afirmam que isso é uma forma nociva de se evitar o enfrentamento da angústia e da dor que, via de regra, cura o indivíduo. Infelizmente, muitas pessoas não gostam de falar a verdade e outras tantas não gostam de ouvi-la;

7- Procurar estar presente sempre que necessário evitando, entretanto, envolvimento afetivo/sexual (isso pode acontecer tanto com o aconselhando como com o conselheiro) ou manipulação emocional por parte do aconselhando. Alguns pastores e conselheiros, independentemente do sexo, já caíram por não vigiarem nessa área e se acharem imbatíveis;

8- Saber dar espaço para o aconselhando expressar o que sente e quem ele é, pois só assim o conselheiro conhecerá a pessoa na intimidade e o trabalho será mais produtivo;

9- Saber ouvir para discernir as necessidades do aconselhando (Tg 1.19);

10- Procurar escutar as coisas que escapam à razão, ou seja, aquilo que a pessoa não fala, o que está nas entrelinhas. Lembrar-se que observar as expressões corporal e facial também é muito importante no aconselhamento;

11- Evitar tomar decisões pelo aconselhando, pois, se alguma coisa sair errado, você poderá ser acusado depois;

12- Quando se fizer necessário, encaminhar o aconselhando a um profissional (de preferência cristão, que creia na Bíblia como revelação de Deus e autoridade final em todas as coisas);

13- Informar-se sobre as relações familiares da pessoa e, se for necessário, envolver a família no aconselhamento (o aconselhando pode ser o depositário das patologias da família);

14- Sempre incentivar o crescimento espiritual e emocional do aconselhando, através da meditação bíblica e oração diárias. Muitos dos que não se firmam e têm constantes recaídas não têm vida devocional disciplinada e os que, geralmente, estão de pé e vivem uma vida de transformação diária são os que têm comunhão diária com Deus e sua palavra;

15- Enfatizar a necessidade de perdão para si e para as pessoas implicadas no problema desde a infância (Mt 5.24);

16- Informar-se sobre possíveis pactos religiosos e orar especificamente;

17- O conselheiro deve orar e jejuar regularmente pelas pessoas a quem aconselha (Ez 22.30 e Mt 17.21);

18- O conselheiro também precisa de um conselheiro de confiança com quem possa compartilhar o peso espiritual e emocional. Isso o ajudará a se retroalimentar espiritualmente (Pv 17.17, 18.24, 27.12 e 27.17).

"...mas as palavras das pessoas corretas salvam os que estão em perigo." (Pv 12.6)

"...mas as palavras do sábio podem curar." (Pv 13.18)

"...porém os que trabalham para o bem dos outros encontrarão a felicidade." (Pv 13.20)

 (Todas as transcrições são da Bíblia na Linguagem de Hoje, da SBB.)

Por Pr. Osmar Pedro da Silva

veja também