Congresso de Lausanne enfoca igreja perseguida

Congresso de Lausanne enfoca igreja perseguida

Atualizado: Quarta-feira, 20 Outubro de 2010 as 8:53

O Terceiro Congresso Lausanne sobre Evangelização Mundial trouxe à discussão a perseguição da igreja ao redor do mundo. Lausanne foi diretamente impactado pela perseguição de 230 cristãos chineses, que foram impedidos de participarem do evento. Eles não foram autorizados a deixar o aeroporto.

O diretor-executivo da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), Ronaldo Rodrigues de Souza, que está no Congresso,  lamentou o ocorrido com os chineses e disse que, apesar dos impedimentos, "a China possui uma igreja de aproximadamente 100 milhões de  crentes que congregam em casas, escritórios, lojas, sempre às escondidas, fugindo da perseguição. Por outro lado, os milagres são constantes, com Jesus curando no momento da oração, aos olhos de todos, fortalecendo a fé dos irmãos da igreja subterrânea chinesa".

O presidente da Portas Abertas dos EUA Carl Moeller falou sobre perseguição. "Onde quer que a igreja esteja avançando - e está em todo o mundo - avança contra alguma coisa. Contra o poder das trevas e, normalmente, contra outro sistema religioso". Embora muitos líderes do Ocidente não enfrentem as perseguições religiosas, em um blog sobre o tema Moeller observou que 70% da população mundial não é completamente livre para cultuar. Ele disse ainda que mais de 200 milhões de cristãos estão ativamente perseguidos por sua fé.

Um dilema que atormenta tantos cristãos em todo o mundo merece uma grande discussão em uma conferência como Lausanne. "Porque a igreja vai de encontro à cultura e está em crescimento, ela faz isso no contexto de perseguição. A perseguição não significa que a igreja está estagnada, fato que indica o exato oposto. Assim, não devemos fugir dos lugares de perseguição, mas precisamos reconhecer que ela está em muito os lugares exatamente onde há perseguição", explica Moeller. 

O Terceiro Congresso de Evangelização Mundial é a sensibilização e apoio a cristãos perseguidos, mas é especialmente encorajadora para a oração. Quase todos os países ao redor do globo estão representados em Lausanne, assim os crentes castigados pela perseguição, sem dúvida, satisfarão os crentes que vivem relativamente livres de perigos para sua fé. Moeller diz que estes tipos de interações irá construir a responsabilidade das igrejas mais livre pelos seus irmãos perseguidos e motivá-los a orar.

"Este é um momento único na história do mundo. Penso que o legado e a história de Lausanne é tal que podemos ver Deus usando esta conferência para as próximas décadas como um ponto de toque de motivação para a igreja ao redor do mundo para o avanço do Evangelho", finaliza.

veja também