Consultora da Rede Amamenta Brasil: Faço o melhor para agradar a Deus

Consultora da Rede Amamenta Brasil: Faço o melhor para agradar a Deus

Atualizado: Terça-feira, 9 Agosto de 2011 as 1:23

Coordenadora do Banco de Leite Humano de Marília, tutora da Iniciativa Hospital Amigo da Criança e da Enpac (Estratégia Nacional de Promoção de Alimentação Complementar Saudável), do Ibfan (Institute Baby Food Network), em defesa da amamentação e mais recentemente nomeada consultora da Rede Amamenta Brasil. Estes são alguns dos cargos e encargos da enfermeira Sandra Mendonça Oliveira Domingues, 52. Mas o essencial para ela é “fazer o melhor para agradar a Deus e não ao homem” e poder abraçar aquele pequenino que com 500g, tomando 3ml de leite humano numa UTI neonatal sobreviveu e voltou para um novo abraço.

Em entrevista ao Diário nesta quarta-feira, 3, Sandra Domingues se emocionou ao falar da carreira, da vida, da família. Natural de Junqueirópolis, filha de pai farmacêutico (José e a mãe Floriza), caçula de cinco irmãs veio para Marília estudar. Conheceu o médico Jairo Domingues com quem é casada há 32 anos. Mãe da advogada Juliana, 31, doutora em Direito, com livros publicados e da neonatologista Jordana, 29, ela está à espera da primeira neta, Glória, que vai nascer em setembro e abraça ainda o genro Eduardo Gaban, uma pessoa “muito especial, preciosíssima”.

Seu envolvimento com o aleitamento materno, literalmente vem de berço. Vivenciou as irmãs amamentando, amamentou a primeira filha, Juliana até o nascimento da segunda, Jordana. Esta ganhou mais tempo, mamou até os 4,5 anos de idade.

Sandra Domingues conta que cuidou especificamente das filhas até a idade pré escolar, depois foi para a faculdade.

Formada na sexta turma de Enfermagem da Famema, em 1989 atuou durante três meses no pronto socorro. Como sua prioridade sempre foi a família, optou por concurso público na Prefeitura e lá está até hoje. Assim pode organizar melhor o tempo com o marido e a educação das meninas.

Precisava conciliar o desejo da saúde pública com a educação das filhas. Esta vivência familiar é o que sustenta toda a relação. Tem um peso significativo, diz ela, que procura passar para as mães que atende os conceitos de prazer, aproximação, abertura, carinho, atenção. Tudo que começa com a amamentação e perdura para o resto da vida.

Evangélica, ligada à Igreja Presbiteriana Independente, faz trabalho com casais “Casados para sempre”. Gosta de estar perto das pessoas e enfatiza que a solidariedade passa pelo carinho, abraço, pelo enxergar o outro, sua necessidade. Para isso conta com o apoio do marido, que tem “um trabalho imensurável, uma doçura, é um profissional brilhante, pai exemplar, marido maravilhoso”.

Lembrando sua vida pessoal e profissional, Sandra Domingues enfatiza que o ser humano tem que se abraçar, passar carinho, estar junto faz a diferença.

Seu sonho é trabalhar com a Apae ou com crianças com câncer, isto quando e se a aposentadoria vier, porque até aqui ela quer mais oportunidade de fazer por Marília. “Quando vejo um bebê de 500 g, sua necessidade, tenho sede de buscar, de querer fazer mais por esses pequeninos, frágeis, mas que esquecem que têm alma, coração, sentimento.”

Trabalho recompensado Sandra Domingues iniciou no Banco de Leite Humano de Marília a convite do então secretário de Saúde, o médico Adib Haber. Atuou ao lado do médico Cássio Luiz Pinto, pesquisou, buscou informações sobre o projeto e se apaixonou. Agora só pensa em disseminar o conhecimento que lhe foi dado. Nestes anos desenvolveu trabalho com puerperas, gestantes, crianças. Ações no Hospital Materno Infantil contribuiu para o título de “Hospital Amigo da Criança” e com outras instituições como a Maternidade Gota de Leite e Hospital Universitário, que devem ter o projeto retomado neste ano. Contatos com outros estados, parcerias com universidades, congressos, tudo resultou na rede com 12 postos de coleta de leite humano na região. Tudo é feito seguindo a NBCal - Norma Brasileira de Comercialização de Alimentos para Lactentes. A escolha para consultoria da Rede Amamenta Brasil, através do Ministério da Saúde/Comitê Nacional de Aleitamento Materno foi “emocionante, mas aumenta a responsabilidade de compromisso com o país inteiro.” Sandra fala das ações já implementadas pelo Amamenta Brasil, como Hospital Amigo da Criança, campanhas, divulgações. Faltava trabalhar a tensão básica onde a mãe é recebida no pré-natal e onde a criança volta, a unidade está muito próxima dessa mãe e é a realidade de cada local que conta na hora de construir e pactuar ações para o aleitamento. Isto é o que foi trabalho no curso de formação de tutores que vão apadrinhar as unidades básicas, dar suporte técnico, acompanhamento e monitoramento dos dados de aleitamento - conhecer a realidade de cada mulher e dar suporte a ela. Foram envolvidos 19 profissionais - nutricionistas, dentistas, enfermeiros, psicólogos, fonoaudiólogos. O trabalho na ponta é a certeza de que não está sozinha no município, diz ela, que espera todas as UBSs certificadas pela Rede Amamenta Brasil e Marília ser reconhecida como “não a capital do alimento, mas do primeiro alimento - o leite humano. Quando você abraça o filho verdadeiramente, dando a ele segurança, conforto, tem a certeza que não desviará do caminho”, conclui esta mulher apaixonada pela vida e pelo que faz.

Tempo não é problema Com tantas atividades e cargos assumidos, Sandra Domingues diz que a questão é organização e gostar do que faz. Nesta semana ela terminou um curso de formação de Tutores da Rede Amamenta Brasil e no próximo mês vai a Bauru para desenvolver o mesmo programa. Coordena o Banco de Leite de Marília e desenvolve ações junto aos hospitais e unidades básicas. Ainda assim sobra tempo para o que considera mais precioso, a família. Está se preparando para acompanhar as últimas semanas de gestação da filha Juliana e os cuidados com a neta Glória que está por vir. “Vou ficar com ela em São Paulo, dar assistência e pensar no trabalho que realizo, cuidados com o bebê, amamentação. É um momento ímpar em nossas vidas.” Três vezes por semana pratica exercícios orientados por personal, faz drenagem linfática, o cabelo está sempre arrumado. “É preciso passar aspecto de saúde. Digo à minha equipe que use ao menos um batom, precisamos passar luz, energia às mães que nos procuram”. A alimentação é regrada, bastante rica, com frutas, verduras, legumes e muito peixe. Iogurtes, linhaça e complexo vitamínico integram a lista de cuidados. Viagens com a família, teatro, cinema, restaurantes, exposições, muita leitura estão na agenda da enfermeira. “TV é o que menos usamos em casa. Temos muito diálogo”, diz ela que nos plantões da filha Jordana vai acompanhada do marido Jairo levar refeições e acompanhar o trabalho nos hospitais.    

veja também