Convenção Pioneira celebra centenário durante sua 87ª assembleia

Convenção Pioneira celebra centenário durante sua 87ª assembleia

Atualizado: Quinta-feira, 21 Outubro de 2010 as 1:23

No ano em que celebra seu primeiro centenário, a Convenção Batista Pioneira do Sul do Brasil comemorou a data com uma bela festa na região na qual viveram os primeiros batistas no sul do Brasil.

A 87ª Assembleia da Pioneira foi o palco das comemorações desta data tão singular. Cerca de 230 participantes de todos os cantos da Pioneira reuniram-se no Clube Aliança para relembrarem o passado e também olharem para o futuro. Ao mesmo tempo em que apreciou os relatórios de atividades e finanças do último biênio, a assembleia reunida também escutou atentamente os responsáveis por cada ministério apresentarem seus projetos e sonhos para futuro. Amplamente aprovados, os relatórios de realizações e projetos mostram o anseio por união dentro da Convenção Pioneira e a busca pela vontade de Deus.

O tema do evento, "A serviço do Reino", mostrou-se muito apropriado, já que em todos os participantes se percebia a vontade sincera de ajudar pessoas, promover a obra missionária e realizar as obras de Deus de acordo com sua Palavra.

No belo culto de encerramento, o orador oficial, pastor Carlos Waldow,  ex-diretor executivo da Convenção Pioneira e atual diretor de missões da EBM-MASA (Alemanha), convocou os ouvintes a assumirem sua "Vocação pioneira" e a levarem adiante o legado dos antepassados, não por tradicionalismo, mas por amor a Deus e a serviço do Reino.

No entanto, a participação do pastor Carlos Waldow foi bem mais ampla do que a pregação no culto de encerramento. Ele falou em cinco oportunidades, dando uma ênfase específica ao tema geral da Assembleia em cada uma delas.

Na sua primeira fala, cujo tema era “Jesus ora por sua igreja”, ele destacou o fato de Jesus interceder pela sua igreja e explicou porque ela está viva e é digna de confiança. Segundo o pastor Carlos, a intercessão de Jesus abrange nossos relacionamentos, nossas emoções, a forma como vivemos no mundo, nossa orientação e conceito da Palavra de Deus e o propósito de nossa vida, nossa Missão. Isto só é possível por amor e no amor de Deus.

A segunda palestra do preletor teve como tema “Põe a mão no arado”. Nela o preletor disse que Jesus ensina que para entrar no Reino é necessário trabalhar com força e vigor, sem medo do preço a ser pago. Para o pastor, é necessário não perder o alvo de vista, pois é ele que norteia o rumo. Na igreja isto é possível pela união de força, vigor, sabedoria e maturidade, coisas não necessariamente relacionadas à idade, mas ao “coração no altar de Deus”.

A terceira palestra abordou “Os desafios da missão integral”. Na opinião do preletor, a questão básica é não dissociar a proclamação do Evangelho para a salvação das necessidades gerais da pessoa, mas é necessário considerar a alma e também as necessidades mais prementes.

Em sua quarta alocução, o pastor Carlos falou da “Paixão por vida”. Ele perguntou aos presentes se o fato de haver pessoas sem salvação ainda as incomoda, ainda move seus corações. Segundo ele, não importa se estão em palácios, cortiços, favelas ou ruas: igreja que só se ocupa com classe média, apesar da favela na porta, ainda não entendeu a missão recebida da parte do Senhor Jesus.

Por último ele falou da “Vocação Pioneira”. Nas palavras do preletor, quem é pioneiro/peregrino é desprendido (investe sua vida), humilde (alegra-se com o progresso do outro), aberto (à manifestação do Espírito Santo) e visionário (alguém que tem o olhar fixo no futuro).

Pioneira firma parceria com Missões Nacionais Outro destaque do evento foi a parceria firmada entre a Convenção Batista Pioneira e a Junta de Missões Nacionais da Convenção Batista Brasileira (CBB). Nesta ocasião foi firmado um convênio assinado pelos representantes de Missões Nacionais e pelos presidentes da Convenção e da Junta de Evangelismo e Missões.

A expectativa é que diversos projetos missionários possam ser desenvolvidos a partir do envolvimento das juntas missionárias com as igrejas para abertura de novas frentes e fortalecimento de campos já existentes, em obediência ao mandato de Jesus: “Portanto indo, fazei discípulos”.

Outro ponto muito positivo foi a participação especial de diversas instituições da convenção, apresentando crianças, adolescentes e jovens, o que criou a expectativa de que podemos vislumbrar o futuro com esperança de continuamos a obra que é feita a serviço do Reino de Deus!

A impressão dos presentes em relação à Assembleia foi a melhor possível. Segundo o irmão Daniel Nicolau, de Curitiba (PR), “foi importante saber tudo o que acontece com as juntas de nossa Pioneira. Ouvimos falar, lemos relatos em nossos informativos e jornais, mas não temos a mínima noção do que é feito, como é feito, todas as dificuldades e todo o envolvimento dos irmãos que se dedicam a uma realidade bem diferente daquela a que estamos acostumados, com desafios dos quais não temos noção”.

Já o irmão Elimar Steurer, de Nova Ramada (RS), destacou toda a sua alegria por fazer parte da Convenção Pioneira: “Sou convertido há 37 anos. Desde então participei da maioria das assembleias da convenção como mensageiro. Apesar de ter dado testemunho sobre a perda da minha mão direita na assembleia em Peruíbe (SP) e de ter transposto o Brasil e o mundo, meu nome não consta em nenhum lugar além do Livro de Presenças das assembleias. Descobri pelo Livro do Centenário que sou do grupo dos pertencentes à convenção. Eu pertenço à convenção e a convenção me pertence, por isso sou feliz!”. Centenário leva batistas pioneiros de volta às origens

Um dos momentos mais esperados da programação da 87ª Assembleia foi o passeio programado para a Igreja Batista Formosa, em Vale do Sol, a aproximadamente 25 km de Santa Cruz do Sul. Havia grande expectativa a respeito do tempo: A previsão era de chuva, o que impossibilitaria a excursão, por causa da estrada de terra no acesso. Mas Deus foi gracioso e a chuva parou por tempo suficiente para que o passeio pudesse acontecer.

Cerca de 150 pessoas encheram os três ônibus contratados. A curiosidade para conhecer o berço da Convenção Batista Pioneira era igualmente grande entre jovens e idosos. E ninguém saiu decepcionado.

O pequeno templo ficou superlotado com os visitantes, deixando o irmão Harri Matschulat (de 83 anos), o único membro ainda vivo desta igreja, transbordando de alegria. Num breve, mas emocionante culto a Deus, ele liderou o grupo em dois cânticos em alemão, acompanhando a música com sua gaita (ou “acordeão”, em bom gauchês).

Esta igreja, a mais antiga da convenção, foi a anfitriã da organização da Pioneira e de sua 1ª Assembleia, em 1910. De suas fileiras participavam pioneiros batistas como o casal Karl e Friederike Feuerharmel, primeiro casal batista a imigrar para o Brasil no fim do século 19. Eles são considerados os "pais" da Pioneira, tanto pelo seu pioneirismo batista quanto pela descendência gerada. Hoje bisnetos e tataranetos deste casal podem ser encontrados em muitas igrejas da Pioneira, o que nos leva a reconhecer a fidelidade de Deus em cumprir suas promessas: "Faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos" (Êxodo 20.6).

veja também