Criminoso confessa: "Queria matar um cristão naquele dia"

Criminoso confessa: "Queria matar um cristão naquele dia"

Atualizado: Sexta-feira, 7 Agosto de 2009 as 12

Um empresário alemão foi morto em uma rua movimentada da Turquia depois que um homem com histórico de problemas mentais o esfaqueou por ser cristão. Ao depor na promotoria pública, o criminoso disse que "queria matar um cristão naquele dia". O crime aconteceu no final de julho.

Segundo testemunhas, o turco Ýbrahim Akyol, de 26 anos, seguiu o alemão Gregor Kerkeling depois que ele saiu da igreja a qual visitava regularmente quando viajava para a cidade a negócios. As câmeras de segurança da igreja filmaram o momento em que o empresário foi esfaqueado no peito pelo criminoso.

Ýbrahim, que é muçulmano, costumava visitar áreas com igrejas para procurar vítimas cristãs. Ele seguiu Gregor e pediu uma lira turca (moeda local). Quando o alemão se recusou e o afastou, Ýbrahim o esfaqueou diversas vezes, até que um pedestre interferiu. De acordo com diversas notícias, a ambulância não chegou a tempo de salvar a vida de Gregor.

Em depoimento para o promotor público, Ýbrahim confessou que acordou naquela manhã e decidiu que mataria um cristão. Ele pegou uma faca de cozinha e foi até uma rua tradicional pelo movimento comercial e pela presença de igrejas, procurando por uma vítima. "Eu queria matar um cristão naquele dia, e estava visitando as igrejas por esse motivo. Eu vi o homem e o matei", revelou.

Em sua confissão para a promotoria, o criminoso disse que chegou a discutir com um segurança na igreja. O homem pediu que Ýbrahim o seguisse até a frente da igreja, onde iniciou um debate sobre o islã e o cristianismo. Ele contou que não matou o segurança porque "não havia brilho em seus olhos".

Em uma entrevista, Hatice Isik, noiva do alemão morto, falou que ele era religioso e orava todos os dias. Eles planejavam se casar em alguns meses.

Cinco homens cristãos foram mortos na Turquia desde 2006 por causa de sua religião. Os assassinatos foram cometidos por jovens motivados por crenças religiosas e nacionalistas.

Segundo jornais turcos, Ýbrahim era viciado em removedor de tinta. Também relataram que ele recebeu tratamento em um hospital psiquiátrico em Istambul, capital da Turquia. (LM)

Postado por: Felipe Pinheiro

veja também