Cristã iraquiana foi vendida quatro vezes como escrava sexual, pelo Estado Islâmico

Rita tinha 26 anos quando o Estado Islâmico invadiu sua cidade e a levou cativa.

fonte: Guiame, com informações do World Watch Monitor

Atualizado: Terça-feira, 19 Junho de 2018 as 4:37

Rita foi levada pelo Estado Islâmico para ser vendida como escrava sexual. (Foto: Reprodução).
Rita foi levada pelo Estado Islâmico para ser vendida como escrava sexual. (Foto: Reprodução).

Rita, uma mulher cristã da cidade iraquiana de Qaraqosh, tinha 26 anos quando o Estado Islâmico invadiu sua cidade e a levou cativa. Ela foi vendida e comprada quatro vezes como escrava sexual antes de ser libertada em 2017 e se reuniu com seu pai em abril deste ano, quase quatro anos desde que foi levada cativa.

Embora soubesse que militantes do Estado Islâmico tinham entrado em Mosul, ela não sabia que eles estavam indo para sua cidade natal, Qaraqosh (também conhecida como Bakhdida), e outras aldeias da região.

Quando chegou a Erbil, taxistas se recusaram a levá-la para Qaraqosh, pois disseram que o Estado Islâmico havia chegado lá. No entanto, ela estava determinada e viajou. Mesmo as forças curdas (Peshmerga) não conseguiram detê-la nos postos de controle pelos quais ela passou, embora tenham avisado que não era seguro.

Quando chegou, ela disse que não notou muita diferença, mas depois viu que as pessoas estavam indo embora. Seus vizinhos disseram que militantes do Estado Islâmico estavam a caminho. Como seu pai era velho, ela não queria deixá-lo, então eles não podiam fugir.

Traumatizada

Lentamente, os Peshmerga perderam o controle sobre o território e o Estado Islâmico se instalou. Os militantes começaram a entrar nas casas, derrubando portas. Eles procuraram pessoas, objetos de valor e outros pertences, e trouxeram dois ônibus para homens e mulheres idosos.

Eles levaram Rita para Mosul e lhe deram um novo nome, Maria. Ela foi vendida no mercado de escravos sexuais. Seu primeiro dono era um militante iraquiano do Estado Islâmico. Rita estava apavorada e, em choque, disse que não conseguia se concentrar no que estava acontecendo ao seu redor. Em vez disso, ela disse que se movia como se estivesse em um sonho. Isso deixou seu dono irritado e ele a insultou.

Havia também uma garota yazidi na casa. Shatha, 14, foi comprada pelo mesmo homem e ele estuprou Rita e a garota. Elas foram mantidos em uma sala e obrigadas a assistir a vídeos de membros do Estado Islâmico matando pessoas. Um dia ele os fez assistir a um vídeo, mostrando militantes decapitando o irmão de Shatha.

Rita disse que estava tão traumatizada que seu rosto não pôde demonstrar medo. Quando seu dono perguntou se ela estava com medo, ela respondeu: "Eu não tenho medo de ninguém além de Deus".

Depois de seis meses, ela foi vendida para outro membro do EI, um saudita na Síria, onde foi emocional e fisicamente torturada por sua mulher marroquina, que, segundo Rita, tinha problemas psicológicos. Ela batia em Rita até o sangue escorrer do nariz e ter feridas na cabeça. A mulher a insultou e a manteve sem comida, exceto pão e água.

Depois de quatro meses, Rita foi transferida de Raqqa, norte da Síria, para Abu Kamal, uma cidade perto da fronteira com o Iraque, onde sofreu por mais 16 meses e então transferida para Deir ez-Zor, 130 km a noroeste. Durante esse tempo ela foi vendida para um homem sírio.

Forçada!

Os membros do IS estavam comprando-a de seus donos para uso sexual. Além disso, forçaram as meninas a usar pílulas anticoncepcionais, bem como a fazer um aborto quando engravidassem. Meninas de nove anos foram estupradas e vendidas.

Rita foi forçada a ler o Alcorão e às vezes era ameaçada de morte se não se tornasse muçulmana. Segundo Rita, os militantes do EI veem as mulheres como bens que podem comprar e vender e que podem ser torturadas por desobediência. Sabe-se que uma mulher de Kobani teria sido punida com a remoção de seus ovários.

Em setembro de 2017, as Forças Democráticas da Síria lançaram uma operação militar para expulsar o EI do leste da Síria. Quando eles libertaram Deir Ezzor, a maior cidade da região, ela foi finalmente libertada, juntamente com muitos outros detidos pelos militantes.

Rita foi levada para uma área segura, para Qamishli, uma cidade no nordeste da Síria, na fronteira com a Turquia. Lá, ela recebeu tratamento e, com a ajuda da União das Mulheres Siríacas, conseguiu começar lentamente a experimentar a cura de seu trauma.

Levou um mês para chegar ao ponto em que ela poderia tirar o véu sem temer repercussões. Quando ela se reuniu com seu pai, quase quatro anos desde que foi levada cativa, ela disse que era como "um sonho".

Confira imagens do encontro:

veja também