Cristãos conservadores não podem ser ignorados, segundo pesquisa

Cristãos conservadores não podem ser ignorados, segundo pesquisa

Atualizado: Sexta-feira, 5 Novembro de 2010 as 10:25

O levantamento de Estratégias de Opinião Pública, divulgado quarta-feira, mostra que 32 por cento dos norte-americanos que compareceram às urnas nesta semana identificaram-se como parte do movimento cristão conservador. A FFC diz que o comparecimento conservador de terça-feira foi o maior já registrado na história a médio prazo.

"O que sabemos a partir de [terça-feira] é que um dos maiores, se não o maior, bloco de voto único do eleitorado são pessoas de fé, conservadores. Eles compareceram em maior número que temos visto em uma eleição intercalar, uma vez que estes tipos de números foram mantidos," disse Ralph Reed, fundador e presidente da FFC.

Reed diz que a FFC trabalhou muito e bem para estimular o voto cristão. A coligação teve como alvo os evangélicos e eleitores em massa frequentes em partes da Flórida, Pensilvânia, Nevada, Califórnia e Ohio, entre outros lugares.

Reed contou com 16 milhões de guias de eleitores distribuídos, 8 milhões de peças de correspondência enviadas, um mínimo de três telefonemas feitos para cada família conservadora e meio milhão de porta batidas. No total, a FFC acredita que fez 58,8 milhões de contatos de eleitores.

"Foi o mais ambicioso, mais abrangente, contato do eleitor mais eficaz, esforço para saias e votar na comunidade de fé conservadora da história americana moderna e política," proclamou Reed.

A FFC informa que 29 por cento do movimento conservador são cristãos evangélicos. Esses evangélicos residem nas regiões Sul e Centro-Oeste, mostra a pesquisa. Reed disse também que estes evangélicos: "Eles são a maioria do movimento Tea Party."

As pesquisas da Public Opinion Strategies constataram que os membros Tea Party fizeram um aumento de 27 por cento do eleitorado. Pouco mais da metade de todos os membros Tea Party auto-atribuídos se identificaram como evangélicos conservadores. Contudo, Reed diz que o inverso também é verdadeiro: Dois terços dos conservadores também se alinham com o Tea Party.

"Esses movimentos são inexplicavelmente interligados, e há uma enorme quantidade de sobreposição," explica Reed.

Reed diz, com números como esses," esses eleitores não podem ser ignorados."

"Cada partido os ignora ou se opõe à eles em seu perigo nas urnas," reiterou.

Foram democratas, os que foram postos em perigo na terça à noite. Naquela noite, a maioria dos evangélicos, membros Tea Party e Católicos atendentes em massa votaram nos Republicanos.

"Eleitores cristãos, as pessoas que apoiaram o movimento cristão conservador, 78-20 [por cento] [votaram] nos Republicanos," disse Glen Bolger da Public Opinion Strategies.

"Os eleitores do movimento Tea Party 92 por cento para seis por cento [votaram] [nos Republicanos]. Cristãos evangélicos brancos 78-21 por cento [votaram] [nos Republicanos]," continuou ele.

Seus votos foram parte de uma grande virada na terça à noite que permitiu que os Republicanos recuperassem a maioria na Câmara dos Representantes dos EUA e quase a metade do Senado dos EUA.

Reed acredita que, daqui para frente, os conservadores cristãos terão uma nova plataforma a partir da qual partilhem os seus valores.

"Se você olhar para os eleitores do Tea Party, quando lhes foram perguntados qual era sua maior prioridade, os gastos [e] os impostos, ou os valores morais, eles estavam amarrados. Entre os conservadores sociais, não surpreendentemente, os valores morais foram as maiores [prioridades]," disse Reed.

Estas são, possivelmente, boas notícias para os conservadores. Líderes religiosos, como Chuck Colson do Centro Chuck Colson de Cosmovisão Cristã chamou os Cristãos a se levantarem e fazerem os políticos conscientes de seus valores.

"O sistema precisa ser agitado. Aqueles que acreditam na responsabilidade fiscal, na santidade da vida, na importância do casamento tradicional, somos nós que precisamos fazer a agitação," afirmou Colson.

Reed acredita que eleitores conservadores não vão simplesmente liquidar com a eleição deste ano da virada. E o Cristão conservador, acrescentou, vai continuar até que tenham um candidato pró-vida e pró-família na Casa Branca.

veja também