Cristãos da Turquia "se sentem mais fortes" após libertação do pastor Brunson

Práticas opressivas contra os protestantes aumentaram quatro vezes nos últimos dois anos, na Turquia.

fonte: Guiame, com informações do World Watch Monitor

Atualizado: Segunda-feira, 22 Outubro de 2018 as 2:28

Soner Tufan (direita), membro do conselho da Associação de Igrejas Protestantes na Turquia, com Andrew Brunson na noite de sua libertação. (Foto: Reprodução).
Soner Tufan (direita), membro do conselho da Associação de Igrejas Protestantes na Turquia, com Andrew Brunson na noite de sua libertação. (Foto: Reprodução).

Um porta-voz dos cristãos protestantes da Turquia declarou que a comunidade cristã de seu país "se sentiu mais forte" após o impacto da prisão e julgamento altamente contestados do pastor evangélico Andrew Brunson.

A prisão de dois anos do pastor americano culminou na decisão de um tribunal turco no dia 12 de outubro, pela sua libertação e partida para os Estados Unidos. "Parece mais forte", disse Soner Tufan, membro do conselho da Associação de Igrejas Protestantes na Turquia (APCT), à Al-Monitor. "Para os cristãos, o sofrimento é honroso".

Brunson estava entre outros homens, incluindo jornalistas e ativistas de direitos humanos, presos na repressão generalizada contra supostos partidários do fracassado golpe de julho de 2016 contra o governo turco. Ele finalmente soube que foi acusado de espionagem e ligações com grupos terroristas.

Referindo-se à última década da APCT de relatórios detalhados sobre violações de direitos contra os protestantes, tanto locais como expatriados, Tufan observou: “Vimos que as práticas opressivas contra os protestantes não-turcos aumentaram quatro vezes nos últimos dois anos”.

Ele continua: “Muitos deles foram deportados com a alegação de que faltavam os documentos necessários para permanecer na Turquia, enquanto alguns foram expulsos por ser uma 'ameaça à segurança nacional'. Todos eles ficaram chateados. Outros saíram sem qualquer pressão porque acreditavam que não estavam mais seguros na Turquia”.

Tufan disse que muitos casos como o de Brunson enfraqueceram a Igreja Protestante Turca, que conta com cerca de 7 mil cidadãos, a maioria convertidos do islamismo. "Curiosamente, esse não é o caso", disse ele. "O apego das pessoas à sua igreja tornou-se mais forte para abraçar mais sua fé".

“Eu lidero os cultos na Igreja Kurtulus [Salvação] em Ancara todos os domingos”, disse Tufan. “Eu estou nesta igreja há 30 anos e posso dizer que o número de pessoas que vem aumentou três vezes depois do que aconteceu com Brunson. O local até começou a ficar lotado, com pessoas transbordando pela porta”, disse.

Ele acrescentou: “Não só os protestantes, mas também os ortodoxos e católicos, pessoas de diferentes religiões, se aproximaram mais. Eles nos ofereceram solidariedade”. Embora a igreja de Brunson em Izmir tenha sido “inicialmente abalada”, ele disse, “em breve testemunhamos grandes multidões e solidariedade também na Igreja da Ressurreição”.

Pouco depois de Brunson ser libertado, a congregação comprou o edifício que abrigava a igreja. "Isso tem uma importância simbólica", observou ele. “A verdadeira surpresa para mim será se os líderes deste país respeitarem minha fé e reconhecerem meus direitos”, finalizou.

veja também