Cristãos do Iraque buscam refúgio na Jordânia

Cristãos do Iraque buscam refúgio na Jordânia

Atualizado: Terça-feira, 23 Novembro de 2010 as 10:07

Numerosos cristãos iraquianos, aterrorizados pelo sangrento ataque contra a Igreja de Bagdá, fogem do país e se refugiam na Jordânia, à espera de um visto para os Estados Unidos ou Europa.

Segundo o líder da organização de caridade siríaca da Jordânia e membro do Conselho das Igrejas do Oriente Médio, George Hazou, cerca de 700 mil iraquianos, entre eles 120 mil cristãos, se refugiaram na Jordânia desde a invasão americana do Iraque, em 2003.

Hoje, "há entre 40.000 e 50.000 cristãos iraquianos", afirmou à AFP, os outros foram para a América do Norte, Austrália ou Europa.

No domingo, dezenas de iraquianos se reuniram na igreja siríaca ortodoxa de Amã para rezar e trocar informações. Alguns chegaram logo após o ataque de 31 de outubro à catedral siríaca católica de Bagdá, que deixou 46 civis mortos e sete baixas entre as forças de segurança.

É o caso de Suzanne Jilliani, de 40 anos, e de seu marido Hani Daniel, de 28 anos. No dia do ataque, decidiram fugir do Iraque com seu bebê de um ano.

A Igreja siríaca da Jordânia pôs um apartamento a sua disposição. Mas o casal sonha em ir para os Estados Unidos e se reunir com os pais de Suzanne e com sua irmã, que segue em tratamento após o atentado que custou a vida de seu marido.

"Acreditam que nos darão o visto para os Estados Unidos?", pergunta Suzanne na entrada da igreja.

"Nunca", responde Moayad, cujo acesso ao território americano foi negado por ter "servido no exército em tempos de Saddam" Hussein, ex-presidente iraquiano executado em 2006.

Ameaçado pelo exército de Mehdi, a milícia do líder xiita Moqtada Al Sadr, Moayad saiu do Iraque quando seu supermercado explodiu.

"Tentem ir para o Canadá", propõe ao casal, insistindo que "não há lugar para os cristãos" hoje no Iraque.

Odei Hikmat, um trabalhador de 33 anos, também não hesitou em sair do país após a matança. Três dias mais tarde, chegou, junto com seus pais, a Amã, "sem esperar que chegasse (sua) hora para morrer", diz à AFP.

Com sua certidão de batismo, que conserva muito bem guardada, Hikmat espera encontrar sua terra de asilo.

"Tem sorte porque as Igrejas no Iraque já não expedem mais certidões de batismo, para limitar o exílio dos cristãos", disse a ele Mohanad Najem.

Este mecânico de 38 anos fugiu do Iraque em outubro, com sua mulher e os quatro filhos.

"O exército de Mehdi me pedia mil dólares por mês, senão matariam meus filhos um após o outro", conta em um sussurro, para que seus filhos não o escutem.

"Fomos embora dois dias depois desta ameaça e dez dias antes do ataque. Provavelmente estaríamos mortos porque íamos rezar todos os domingos nesta igreja", garante. Sua prima e seu sobrinho morreram no ataque.

Basil Ibrahim (45 anos), com câncer, chegou à Jordânia com sua mulher Anni Krikarian, uma anestesista de 41 anos, após ela receber ameaças no hospital onde trabalhava.

"Por que você não usa o véu? (A Virgem) Maria o usava", diziam seus colegas.

Posteriormente, ela recebeu uma ordem de transferência para Hawja, perto de Kirkuk, "uma região perigosa para os cristãos". "Era o momento de ir embora, mas o problema é que não tivemos tempo de vender nossos bens para poder sobreviver", afirma Basil. "Não havíamos pensado em sair do Iraque, onde nossas famílias vivem há várias gerações, mas não tivemos alternativa".  

veja também