Cristãos exigem direito de terapia para homossexuais no Reino Unido

Cristãos exigem direito de terapia para homossexuais no Reino Unido

Atualizado: Sexta-feira, 24 Janeiro de 2014 as 7:10

Cristãos exigem direito de terapia para homossexuais no Reino UnidoAcreditando que homossexuais podem voltar à heterossexualidade, um grupo de cristãos do Reino Unido tem exigido o direito de terapia para gays que possivelmente não estejam satisfeitos com sua atual situação.
 
Na última semana, este grupo abriu um debate sobre o assunto, contando com a participação de pessoas influentes. O espaço para diferentes opiniões era aberto. Exemplo disto foi a presença do político do Partido Trabalhista do Reino Unido, Geraint Davies. Ele é autor do projeto de lei que age contra a psicoterapia para homossexuais e que está em estudo no Parlamento Inglês.
 
Davies apontou tal terapia como uma tentativa de conversão ou cura e afirmou que a homossexualidade não pode ser vista como doença ou qualquer tipo de distúrbio.
 
"Terapia de conversão homossexual começa com a ideia de que ser gay ou lésbica é algum tipo de doença ou distúrbio moral que requer tratamento ou correção, que não é uma premissa razoável, na minha opinião", declarou.
 
Já outros especialistas acreditam que cada cidadão pode avaliar qual o melhor caminho a seguir e que o direito dos cristãos se manifestarem não pode ser atacado.
 
Phelim McIntyre, porta-voz de um grupo de pessoas que decidiram abandonar as práticas homossexuais relatou que a repressão contra cristãos neste caso é pesada. Além disso, ele destacou que a relevante análise de evidências científicas não está sendo levada em consideração para comprovar a eficiência desta terapia. 
 
O grupo que tem exigido a liberação do direito à terapia também tem argumentado que é preciso estar atento ao interesse público e isto não pode ser deixado de lado, "apenas para atender às pressões deum grupo que não compreende a importância deste tratamento".
 
Apesar das muitas divergências, o debate apurou que não é correto negar este direito a pessoas que "procurem voluntariamente" o tratamento. Porém destacou-se que as sessões devem ser monitoradas por uma regulamentação que determine os mecanismos adequados para o procedimento.
 
Com informações do Christian Post

veja também