Cristãos lançam campanha no Twitter para evitar a execução de afegão

Cristãos lançam campanha no Twitter para evitar a execução de afegão

Atualizado: Terça-feira, 22 Fevereiro de 2011 as 9:16

Said Musa, de 45 anos, foi sentenciado por um juiz a enforcamento, a menos que ele se convertesse novamente ao Islã.

O zumbido no Twitter para defendê-lo começou com Denny Burk, que sábado, apelou ao presidente Obama para "persuadir o governo afegão a não executar nosso irmão Said Musa. Burk é o mais velho da faculdade de Boyce no Seminário Teológico Batista do Sul.

Então, John Piper tweetou uma mensagem semelhante: "Sr. Presidente, fale com sabedoria e ousadia, em particular, se necessário, em favor de Said Musa, preso em Cabul."

Sua mensagem incluía um link para um relatório da “Compass News Direct” sobre uma carta que recebeu de Musa no final de outubro, em que o cristão se dirigiu a Obama como um "irmão" e pediu à comunidade internacional oração pela sua libertação.

A mensagem foi re-tweetada durante todo sábado e domingo por outros líderes cristãos que também aderiram à campanha espontaneamente em favor do pai de seis filhos que está preso por seguir a Jesus.

No domingo, Rick Warren , apontado pela Forbes como uma das 20 maiores celebridades do Twitter, trouxe a atenção para a forma como a mídia tem notificado a história de Musa.

"Há reclamação para defender a liberdade de expressão, mas se eles realmente fizeram, relatariam tais histórias do cotidiano", disse Warren aos seus 245.653 seguidores no Twitter.

O pastor da Igreja Saddleback também associou um artigo da National Review Online, "América quieta sobre a Execução do cristão afegão Said Musa", que questionou por que Obama ponderou sobre a ameaça feita por Terry Jones de queimar o Corão, mas não fez um movimento em favor da situação de Musa.

"Se as ações de um pastor da Florida que ameaçou destruir um livro sagrado para os muçulmanos mereceram as atenções presidenciais e do público, então as ações do governo afegão, aparentemente democrático "aliado", para destruir algo de sagrado para os cristãos, um ser humano feito à imagem de Deus, também merece a atenção do público e presidente ", argumentou o escritor Paul Marshall.

Matt Chandler, pastor da Village Church, no Dallas estava entre as mais de 100 pessoas que re-tweetaram a mensagem que pedia orações por Musa.

"Não vamos nos calar", dizia um tweet sábado de David Platt, autor do best-seller Radical.""Ore / Interceda por Said Musa ... e outros desconhecidos que enfrentam a morte para confessar Cristo".

"Ninguém deve morrer porque quer mudar de religião", publicou Ed Stetzer, presidente da LifeWay Research, em uma mensagem re-tweetada. Ele também colocou uma marca para "barackobama" e pediu aos outros que re-tweetassem.

  Entenda o caso Musa, ex-funcionário da Cruz Vermelha, que perdeu sua perna esquerda na explosão de uma mina terrestre, foi preso desde maio passado, depois que ele apareceu em um vídeo transmitido por uma rede local de televisão que mostrava os cristãos afegãos sendo batizado pelos ocidentais. Ele foi preso quando tentou pedir asilo na embaixada alemã.

Musa disse que enquanto esteve na prisão, foi abusado sexualmente, espancado e cuspido por sua fé em Jesus Cristo. Apesar de enfrentar uma sentença de morte, Musa se recusou a renunciar à sua fé, dizendo ao jornal The Sunday Times: "Meu corpo pode ser deles para fazerem o que quiserem. Mas só Deus pode decidir se o meu espírito vai para o inferno".

O caso de Musa é o primeiro de apostasia que é punível com a morte sob a lei sharia e que levou perto de execução desde a queda do regime talibã no Afeganistão.

De acordo com a Constituição afegã, um processo será adiado pelo veredicto de um juiz de direito sharia só se não houver uma sentença clara na Constituição. Autoridades disseram que Constituição não menciona a conversão a outra religião.

No entanto, Yogarajah Godfrey, diretor executivo da Comissão da Aliança Evangélica Mundial de Liberdade Religiosa, alega que o julgamento de Musa quebra, pelo menos, três disposições da Constituição de 2004 do Afeganistão.

Grupos de direitos humanos também pediram ao Afeganistão, um dos signatários da Declaração Universal dos Direitos Humanos, para homenagear a liberdade religiosa e a liberdade de mudar de religião, conforme estipulado no documento.

Desde que foi detido, Musa teve negado um julgamento justo e acesso a um advogado. Alguns advogados se recusaram a representar Musa, a menos que se converte ao islã, enquanto outros abandonaram o seu caso depois de serem ameaçados. Sua esposa e seis filhos fugiram para o Paquistão.

veja também