Cristãos são agredidos por não deixarem o cristianismo

Cristãos são agredidos por não deixarem o cristianismo

Atualizado: Sexta-feira, 5 Novembro de 2010 as 3:25

 Em outubro um cristão de 63 anos, foi agredido junto de seu filho mais novo, por se recusarem a voltar ao islamismo. No mesmo período em uma vila das proximidades, outro cristão também foi agredido e roubado pelo mesmo motivo, no sudoeste de Bangladesh.

Aynal Haque, de 63 anos, voluntário da organização cristã Way of Life Trust, disse ao Compass Direct News que seus irmãos e parentes, juntamente com os aldeões muçulmanos agrediram ele e seu filho de 22 anos, Lal Miah, em 09 de outubro, quando eles se recusaram a renegar o cristianismo.

A família vive na vila Sadhu Hati Panta Para, no distrito de Jhenaidah, cerca de 250 quilômetros a sudoeste de Dhaka.

Haque foi convocado em 09 de outubro para uma reunião com cerca de 500 homens e mulheres de várias aldeias e relatou: "Eles tentaram nos forçar a se desculpar por nosso erro de aceitar o cristianismo e também tentaram nos obrigar a voltar ao islamismo. Eu lhes disse: "Enquanto houver fôlego em nossos corpos, não vamos rejeitar o cristianismo. "Quando negamos fomos severamente agredidos."

 No dia seguinte (dia 10 de outurbo) em Kola, uma aldeia a cerca de cinco quilômetros bateu num amigo cristão de Haque e roubaram sua loja de sementes. Tokkel Ali, de 40 anos, contou que cerca de 20 pessoas chegaram em sua loja por volta das 11h e uma "multidão invadiu e começou a me agredir, jogando minhas sementes por todos os lados", disse.

Ali perdeu a consciência e a multidão arruaçou seu estabelecimento, além de roubarem 24.580 taka, e sua bicicleta. Ele disse que não se atreveu a abrir queixa por quaisquer encargos. "Se eu abrir qualquer processo ou queixa contra eles,morrerei."

Tradução: Carla Priscilla Silva

veja também